PANDEMIA

Covid-19: boletim aponta aumento de 11% das mortes no Brasil


Boletim do Ministério da Saúde marcou média diária de 642 mortes na semana epidemiológica 50, 11% acima das 581 da semana epidemiológica anterior

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 18/12/2020 às 18:46
Reprodução/TV Jornal
FOTO: Reprodução/TV Jornal
Leitura:

O último balanço da evolução da pandemia do novo coronavírus no Brasil indicou um aumento de 6% nos casos e de 11% nas mortes por covid-19. Segundo o Boletim Epidemiológico número 41 do Ministério da Saúde, divulgado nesta quinta-feira (17), na semana epidemiológica 50, de 6 a 12 de dezembro, foi registrada média diária de 43.279, contra 40.986 na semana epidemiológica anterior.

Curva de casos

A curva de casos de covid-19 subiu a partir de março, atingiu seu pico em julho e começou a cair, ainda que de forma irregular, desde agosto. Em novembro, esta tendência se inverteu, com uma subida mais intensa do que no 1º semestre do ano, especialmente a partir da semana epidemiológica 46. O país saiu da média de menos de 20 mil infectados nesta semana para 43 mil no início de dezembro.

Mortes pela covid-19

O boletim também marcou média diária de 642 mortes na semana epidemiológica 50, 11% acima das 581 da semana epidemiológica anterior. No total, foram 4.495 vidas perdidas para a covid-19. Ainda não foram consolidados dados acerca desta semana, mas no dia 17 o Brasil voltou a bater a marca de mais de 1 mil mortes por dia.

A curva de mortes por covid-19 subiu e ficou estável (em um platô, nos termos técnicos das autoridades de saúde) entre maio e agosto, quando iniciou um movimento de queda. Assim como nos casos, o ponto de inflexão ocorreu no início de novembro, com um elevação da curva, embora em menor intensidade do que na curva de casos.

A taxa de incidência (casos por 100 mil habitantes) ficou em 3.274. Já a taxa de mortalidade (óbitos por 100 mil habitantes) foi de 86,2.

Regiões

O movimento de retomada das curvas de casos e óbitos é diferente em cada região do país. As curvas de casos são íngremes especialmente no Sudeste, com 106.383 novos casos de covid-19 na semana epidemiológica 50, Sul, (85.419 novos casos) e Nordeste (67.908). Já Centro-Oeste (24.663) e Norte (18.577) tiveram aumentos mais tímidos.

No caso das curvas de mortes, o Sudeste aparece de forma mais destacada, com 2.158 novas mortes por covid-19 na semana epidemiológica 50. Em seguida vêm o Sul (1.105), Nordeste (710), Centro-Oeste (310) e Norte (212).

Em relação aos estados, na semana epidemiológica 50 foram 13 os que tiveram incremento de casos, 6 ficaram estáveis e 8 tiveram redução. Entre os aumentos os mais representativos foram os de Sergipe (182%) e Ceará (99%). As quedas mais fortes ocorreram no Piauí e no Acre (-20%).

Já quando consideradas as mortes pelo novo coronavírus, 19 Unidades da Federação tiveram crescimento, três ficaram estabilizadas e cinco foram marcadas por diminuição dos índices. Os maiores acréscimos se deram no Rio Grande do Norte (59%) e Paraíba (49%). Já as quedas mais efetivas ocorreram em Roraima (-35%) e no Amazonas (-26%).

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

- Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
- Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
- Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
- Evitar contato próximo com pessoas doentes.
- Ficar em casa quando estiver doente.
- Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
- Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
- Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
- Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.


Mais Lidas