INTERNACIONAL

Trump diz que não irá à posse do novo presidente dos EUA, Joe Biden


Donald Trump tem se recusado a aceitar a vitória do democrata Joe Biden

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 08/01/2021 às 13:47
Jim Bourg
FOTO: Jim Bourg
Leitura:

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, revelou, nesta sexta-feira (8), que não comparecerá à posse do presidente eleito Joe Biden. A cerimônia será realizada no dia 20 de janeiro.

Donald Trump tem se negado a admitir a vitória do democrata Joe Biden e sua vice Kamala Harris. O republicano diz, sem apresentar provas, de que as eleições foram fraudadas.

>> Jornalista pernambucana em Washington relata o que viu durante invasão ao Congresso americano

>> Apoiadores de Donald Trump invadem Congresso dos EUA; veja fotos

>> Após invasão, Congresso dos EUA certifica vitória de Joe Biden

 

Trump deixará cargo

O republicano, no entanto, publicou um vídeo onde afirma que deixará o cargo em 20 de janeiro. Donald Trump também disse que condena a violência praticada durante a invasão do capitólio.

Esta foi a primeira aparição de Trump desde a certificação de Joe Biden pelo congresso como presidente eleito. Trump ainda reconheceu que as "emoções estão em patamares altos" e que o país deve retomar a calma.

 

Certificação após invasão ao Capitólio

O Congresso norte-americano certificou nesta quinta-feira (7) a vitória de Joe Biden para a Presidência dos Estados Unidos. A ratificação ocorreu por volta das 3h40 (5h40, no horário de Brasília) horas depois de o Capitólio, sede do Parlamento norte-americano, ser invadido por manifestantes. Biden teve 306 votos confirmados contra 232 para o atual presidente do país, Donald Trump.

O protesto interrompeu os trabalhos dos congressistas durante várias horas, e o confronto entre manifestantes e policiais deixou pelo menos quatro pessoas mortas e mais de 50 detidas. Após a certificação pelo Congresso, Trump prometeu uma "transição ordeira".

A sessão de confirmação começou na quarta-feira (6) por volta das 13h (15h no horário de Brasília), mas foi interrompida meia hora depois, após uma invasão violenta do Capitólio por manifestantes que participavam de um protesto em Washington. A sessão só foi retomada às 20h (22h, horário local).

Nas últimas horas, ainda antes da aprovação dos votos eleitorais, os congressistas rejeitaram duas tentativas de objeção aos resultados de novembro, apresentadas por representantes republicanos do Arizona e da Pensilvânia. As moções não reuniram votos suficientes por parte de outros Estados para serem discutidas.

Donald Trump reagiu pelo Twitter de Dan Scavino, diretor de redes sociais do presidente norte-americano. Embora afirme que a transição será ordeira, o presidente voltou a desacreditar o resultado eleitoral:

"Embora discorde totalmente do resultado da eleição e os fatos me deem razão, ainda assim haverá uma transição ordeira em 20 de janeiro. Sempre disse que continuaríamos a nossa luta para garantir que apenas votos legais fossem contabilizados. Embora isso represente o fim do melhor primeiro mandato na história da presidência, é apenas o princípio da nossa luta para tornar a América grande outra vez", diz o tuíte.

 

Mais Lidas