Pandemia do novo coronavírus

Na pandemia, Bolsonaro é ruim ou péssimo para 54% da população, diz pesquisa Datafolha; Antônio Lavareda comenta


Para 43% dos entrevistados, Bolsonaro é o maior responsável pela situação atual da pandemia no país

Gabriel dos Santos Araujo Dias
Gabriel dos Santos Araujo Dias
Publicado em 17/03/2021 às 10:02
Reprodução/Youtube
FOTO: Reprodução/Youtube
Leitura:

Com um ano desde os primeiros casos do novo coronavírus no Brasil e alta nos números de casos e mortes, o governo do presidente Bolsonaro é rejeitado pela maior parte da população no tocante ao tratamento dado à pandemia no país. De acordo com pesquisa do Instituto Datafolha publicada no jornal Folha de São Paulo, 54% dos entrevistados classificaram como ruim ou péssimo o desempenho de Bolsonaro na administração da crise. Na pesquisa anterior, esse índice era de 48%.

Ainda segundo a pesquisa, 22% dos entrevistaram avaliaram como ótima ou boa a gestão de Bolsonaro na pandemia. Antes, o número de pessoas que avaliavam como ótima ou boa a gestão era de 26%. O país já tem 282.400 mortes causadas pelo novo coronavírus, mais do que países mais populosos como Índia e China.

Principal responsável pela crise

Para 43% dos entrevistados, Bolsonaro é o principal responsável pelo estágio atual da pandemia no país.

No total, 2.023 pessoas foram ouvidas na pesquisa que foi feita por telefone entre 15 e 16 de março. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Análise

Nesta quarta-feira (17), o cientista político Antônio Lavareda comentou a pesquisa durante o programa Passando a Limpo, da Rádio Jornal. “É a principal dificuldade que Bolsonaro enfrenta no momento que é a questão da sua gestão na crise sanitária, no enfrentamento da pandemia. A pesquisa também faz pergunta sobre a responsabilidade da pandemia. Apareceu o presidente em primeiro, os governadores com 17%, prefeitos com 9% e a população com 6%, o que reforça essa leitura negativa por parte da população”. “O governo está reagindo, com a troca do ministro. Esperemos que isso dê resultados. Porque os anúncios desencontrados sobre a entrega das vacinas tem deixado a população inquieta. Isso repercute negativamente sobre a imagem do presidente”, analisou Lavareda.

Confira a entrevista na íntegra:


Mais Lidas