Pandemia do novo coronavírus

Secretário afirma que governo de Pernambuco pode decretar novas medidas restritivas caso comportamento da população não seja adequado


Mesmo sem atingir meta de 60% de isolamento social, governo de Pernambuco relaxou quarentena e decidiu reabrir atividades econômicas no próximo dia 1º de abril

Gabriel dos Santos Araujo Dias
Gabriel dos Santos Araujo Dias
Publicado em 29/03/2021 às 12:06
FILIPE JORDÃO / JC IMAGEM
FOTO: FILIPE JORDÃO / JC IMAGEM
Leitura:

O secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, afirmou que o governo do Estado “não hesitará em tomar novas medidas restritivas”, caso o comportamento da população não se adeque aos protocolos de segurança para redução de transmissão do novo coronavírus. A informação foi dada nesta segunda-feira (29), na Rádio Jornal, às vésperas do relaxamento da quarentena, que acontece na próxima quinta-feira (1º).

Segundo André Longo, que é médico, o uso de máscaras por parte da população é extremamente importante. “Se 95% das pessoas usarem a máscara corretamente cobrindo boca e nariz, o plano vai funcionar”, disse Longo durante o Debate da Super Manhã. “Não custa nada sair de casa usando máscara”, afirmou.

O alerta foi dado faltando poucos dias para o relaxamento da quarentena em Pernambuco. Após 14 dias de quarentena, atividades não essenciais vão poder reabrir na próxima quinta-feira.

O relaxamento foi anunciado, apesar do Estado de Pernambuco não ter chegado à meta de 60% de isolamento social durante a quarentena. Para se ter uma ideia, de acordo com cientistas, a taxa de isolamento ideal é de 70%.

Feriado de Páscoa preocupa

No próximo final de semana, também se comemora o feriado da Páscoa. No debate, o secretário pediu que a população comemore o feriado apenas em família, dentro de casa. Se a população não seguir a orientação do governo, pode acontecer em Pernambuco o que aconteceu em São Paulo. Lá, o governo antecipou feriados e parte da população aproveitou a folga para se aglomerar em festas clandestinas e nas praias do estado. Sem dar detalhes, o secretário pernambucano prometeu que haverá forte fiscalização.

“Independente de medidas restritivas, é preciso uma mudança de comportamento [da população]. Porque quem boicota as atividades é o cidadão que não usa máscara”, opinou o secretário.


Mais Lidas