Caso Henry: laudo aponta 23 lesões no dia em que Jairinho e mãe do menino alegam ter encontrado o corpo morto

O documento do Instituto Médico Legal embasa a investigação do caso Henry e afirma que as lesões ocorreram entre o dia 07 e 08 de março

INVESTIGAçãO
Caso Henry: laudo aponta 23 lesões no dia em que Jairinho e mãe do menino alegam ter encontrado o corpo morto

Henry Borel morreu no dia 08 de março de 2021, aos 4 anos de idade - Foto: Reprodução

O laudo de necropsia do Instituto Médico Legal (IML) aponta que o menino Henry Borel, de 4 anos, sofreu 23 lesões na madrugada do dia 08 de março em que morreu. De acordo com o documento, o vereador carioca Dr. Jairinho (Solidariedade) e a mãe do menino, Monique Medeiros, carregaram o corpo da criança às 04h09 já morta. As conversas de Monique com a babá de Henry foram determinantes para os dois serem acusados e presos no Rio de Janeiro. 

As lesões, de acordo com o laudo do IML, aconteceram entre 23h30 do dia 7 e 3h30 do dia 08 de março, momento em que o casal diz ter encontrado o menino morto. Esse novo documento é que embasa a investigação do caso Henry. Jairinho e a mãe de Henry teriam esperado 39 minutos antes de tomar a atitude de levá-lo ao hospital, de acordo com as informações do laudo de reprodução simulada ao Estadão Conteúdo.

O padrasto e a mãe do menino Henry Borel passaram a primeira noite em prisões diferentes no Rio de Janeiro. Os dois não podem receber visitas por 14 dias e ficarão isolados em quarentena por causa da pandemia da covid-19.

"Não existe agressão", diz advogado de defesa

O advogado de Monique Medeiros, mãe do menino Henry Borel, e do médico e vereador Dr. Jairinho (afastado do Solidariedade) afirmou que o casal não comentou agressão contra a criança de 4 anos. A declaração foi dada na saída da Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca (16ªDP), no Rio de Janeiro, onde o casal prestou depoimento.

> Polícia não tem dúvida de que Dr. Jairinho é o autor da morte de Henry

> Caso Henry: Câmara do Rio de Janeiro corta salário de Dr. Jairinho e anuncia suspensão do mandato

De acordo com as investigações da Polícia Civil, o padrasto Dr. Jairinho e a mãe de Henry moravam com o menino em um apartamento onde a criança teria sofrido fortes agressões. Henry tinha passado o fim de semana com o pai, o engenheiro Leniel Borel, que o deixou em casa na noite de domingo (dia 7 de março).

Investigações do Caso Henry

Uma perícia realizada no apartamento da família afastou a hipótese de que os ferimentos em Henry tenha sido causados pela queda da cama, como tentam explicar Monique Medeiros e Dr. Jairinho. No total, os médicos legistas identificaram 23 lesões no corpo do garoto. Um dos mais graves foi no fígado do menino. Na análise do corpo da vítima, os médicos identificaram sinais de que as lesões foram provocadas por forte violência. 

> Como identificar que uma criança é vítima de violência? Morte do menino Henry acende alerta

Caso você conheça algum caso de violência contra crianças, ligue para o Disque 100, ou Disque Direitos Humanos, serviço de proteção vinculado ao Governo Federal.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.