INVESTIGAÇÃO

'Livros macabros' e corpo em moto; o que se sabe sobre jovem de Caruaru achada morta na Paraíba


Patrícia Roberta, de 22 anos, natural de Caruaru, desapareceu em João Pessoa após ir visitar um suposto amigo

Atualizada às 17h16
Atualizada às 17h16
Publicado em 27/04/2021 às 14:22
Reprodução/Arquivo Pessoal/WhatsApp
FOTO: Reprodução/Arquivo Pessoal/WhatsApp
Leitura:

O desparecimento de uma jovem de 22 anos de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, que estava desaparecida desde o último domingo (25), teve um desfecho trágico. O corpo de Patrícia Roberta Gomes da Silva foi encontrado no início da tarde desta terça. Ela havia desaparecido após ir encontrar um suposto amigo na Paraíba. De acordo com a família, os dois estudaram na mesma escola na cidade pernambucana e se conheciam há dez anos.

Corpo achado

A Polícia Militar da Paraíba localizou o corpo de Patrícia Roberta Gomes da Silva, de 22 anos, no início da tarde desta terça-feira (27).

O corpo de Patrícia estava enrolado em um saco com fita adesiva e foi encontrado na mata no conjunto Novo Geisel, em João Pessoa, de acordo com a Polícia Militar. Segundo o Instituto de Criminalística da Paraíba, não há dúvidas de que a garota foi vítima de um homicídio.

>> Lista com nomes de mulheres, incluindo Patrícia, é achada na residência do suspeito de matar jovem de Caruaru

>> "Eu só quero ir pra casa", disse jovem de Caruaru à mãe momentos antes de desaparecer em João Pessoa

Corpo carregado em moto

Na manhã desta terça-feira (27), a polícia teve acesso às imagens, que mostram uma moto passando rapidamente por uma rua. Nas imagens de um circuito de segurança o suspeito estaria carregando algo parecido com um corpo.

Um vizinho do suspeito disse que viu o momento em que ele saiu com um corpo dentro de um tambor em um carro de mão. Em um determinado momento, o carro de mão teria quebrado e ele teria colocado o corpo da jovem em cima de uma moto e fugiu.

A Polícia encontrou em um tambor de lixo em frente ao condomínio onde ele mora pertences da jovem de Caruaru, como um encosto de cabeça, roupas e óculos.

Desaparecimento

A jovem pernambucana saiu em direção a João Pessoa, capital da Paraíba, por volta das 17h da última sexta-feira (23). Ao chegar na cidade, a jovem avisou à família que havia chegado e mandou fotos. No sábado (24), ela enviou uma foto em que aparecia o prédio onde supostamente ela estava hospedada. No domingo (25), Patrícia parou de responder às mensagens dos familiares.

"Só quero ir pra casa"

Patrícia conversava com a mãe por mensagens e chegou a relatar que estava triste durante uma chamada de vídeo. A mãe mantinha contato com a filha durante o dia e em uma das conversas a jovem disse "eu só quero ir pra casa", porque estaria trancada dentro do apartamento onde estava hospedada.

Momentos antes de deixar de falar com a mãe por mensagem no dia em que desapareceu, Patrícia disse que o amigo voltaria com ela para Caruaru.

Segundo a mãe da garota, Verônica Josefa, o suposto amigo da jovem, que não teve o nome revelado, tem dado versões diferentes sobre o desaparecimento de Patrícia. “Tem um print em que ele diz ter colocado ela no ônibus, disse que chamou um Uber para levar ela, depois disse que foi uma colega que chamou. Ele está sem dizer coisa com coisa. Está em contradição. Também tem um print dele que diz ‘meu pai me induziu a só comparecer à delegacia amanhã’. Quer dizer, o pai sabe de alguma coisa”, contou dona Verônica.

Patrícia trocou mensagens com a mãe antes de desaparecer
Patrícia trocou mensagens com a mãe antes de desaparecer
Reprodução/Arquivo pessoal

Vizinhos viram Patrícia na casa do jovem

Prédio onde Patrícia estaria hospedada em João Pessoa
Prédio onde Patrícia estaria hospedada em João Pessoa
Reprodução/SBT

A família de Patrícia Roberta chegou em João Pessoa nesta segunda-feira (26) para procurar pela garota. Paulo Roberto conversou com um dos vizinhos do suposto amigo da jovem. “Não encontrei ela, nem corpo e nem nada. Pedi à Polícia Civil que viesse comigo ao apartamento, mas eles disseram que, por causa do horário, não podiam entrar. Eu resolvi vir [ao apartamento] por conta própria. Chegando no endereço, a luz do apartamento estava acesa e, pela foto que ela [Patrícia] mandou, eu identifiquei que era este o apartamento onde ela estava", revelou o pai da garota, que afirmou ter ficado em “vigília” até 23h, mas ninguém saiu do apartamento.

Um vizinho do suspeito contou ao senhor Paulo Roberto que viu uma garota com as características físicas da filha dele no apartamento do jovem. “Voltamos para casa e pedimos que ele [o vizinho] tivesse cuidado porque o elemento, pelo que fazemos levantamento, é frio, covarde e calculista. Ele faz isso com uma indefesa. Com um cabra macho ele não faz não”, disse.

Livros macabros

Os familiares de Patrícia informaram que, no apartamento, a polícia encontrou livros que, supostamente, são de magia negra. "É macabro, é um negócio demoníaco", contou.


Mais Lidas