Polícia investiga estupro coletivo contra adolescente de 16 anos na orla de Jaboatão dos Guararapes

Em vídeo que circula nas redes sociais, adolescente diz ter sido estuprada por 8 pessoas

VIOLÊNCIA SEXUAL
Polícia investiga estupro coletivo contra adolescente de 16 anos na orla de Jaboatão dos Guararapes

A Polícia Civil está investigando o caso. - Foto: Berg Alves / JC Imagem

A Polícia Civil de Pernambuco investiga um caso de estupro coletivo cometido contra uma adolescente de 16 anos. De acordo com a polícia, o crime ocorreu na noite do sábado (24), na praia de Candeias, em Jaboatão dos Guararapes. 

A adolescente procurou a Delegacia de Prazeres, na madrugada do domingo (25), acompanhada da mãe. Segundo a Polícia Civil, a garota relatou que teria sido estuprada por vários jovens na orla de Candeias.

A delegada Vilaneida Aguiar, da DPCA de Jaboatão dos Guararapes, está responsável pela condução do inquérito policial e só irá se pronunciar em momento oportuno.

 

>> Pernambuco registrou 681 estupros de crianças e adolescentes nos primeiros 6 meses de 2020

>> Criança que engravidou após estupros do tio enfrenta protesto de grupo anti-aborto no Recife

>> Juíza revela sentença e Robinho é condenado a 9 anos de prisão pela Justiça da Itália 

 

Vítima compartilhou vídeo nas redes sociais

Nas redes sociais, a adolescente compartilhou um vídeo contando o que teria acontecido no dia do crime. A mãe da garota também postou um vídeo no perfil da filha pedindo justiça para o caso.

A vítima contou que um dos agressores seria um ex-ficante dela, que estava acompanhado de outros amigos. A garota conta que foi puxada para a areia da praia, onde foi abusada por oito pessoas. A Rádio Jornal optou por não compartilhar as imagens para não expor a vítima. 

"Uma covardia. Oito caras fazerem isso com uma menina e um ela conhecia, porque ela já ficou. Isso é uma covardia, e não se faz com mulher nenhuma", desabafou a mãe da adolescente, que não terá o nome revelado para proteger a identidade da vítima. 

Também circulam imagens dos suspeitos nas redes sociais. Alguns gravaram vídeos negando o crime. 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.