IMUNIZAÇÃO

Envio de lote de IFA para produção de vacina pela Fiocruz é antecipado


Butantan também informou que receberá insumos para vacina CoronaVac no dia 26 de maio

Da Agência Brasil
Da Agência Brasil
Publicado em 17/05/2021 às 19:14
Jailton Jr/JC Imagem
FOTO: Jailton Jr/JC Imagem
Leitura:

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou na tarde desta segunda-feira (17) que o envio de um lote de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para o o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) foi antecipado do dia 29 para o próximo sábado (22).

Na manhã desta segunda-feira, a Fiocruz informou que receberia os insumos para a produção da vacina Astrazeneca contra a covid-19 em dois lotes: um no dia 22 e outro no dia 29. O envio do segundo lote, portanto, foi antecipado.

De acordo com a fundação, o carregamento de IFA que chegará no sábado será suficiente para a produção de cerca de 12 milhões de doses do imunizante. As novas remessas asseguram as entregas de vacinas até a terceira semana de junho.

Por conta do rápido escalonamento de produção que a Fiocruz atingiu, as remessas de IFA vêm sendo consumidas antes do tempo previsto inicialmente. Será necessário interromper a produção na próxima quinta-feira (20) até a chegada do novo lote de insumo.

Segundo esclareceu a Fiocruz, não há ainda previsão de que isso possa gerar qualquer impacto em entregas futuras. Caso isso ocorra, o impacto será avaliado e comunicado mais à frente.

O cronograma de entregas permanece semanal, acontecendo sempre às sextas-feiras, conforme pactuado com o Ministério da Saúde, e seguindo a logística de distribuição definida pela pasta.

IFA para vacina CoronaVac chegam ao Brasil dia 26 de maio

Após o atraso e a paralisação da produção de vacina contra a covid-19 por falta de insumos, o Instituto Butantan informou também nesta segunda (17) que um carregamento de matéria-prima para a CoronaVac chegará ao Brasil no dia 26 de maio. Segundo o Butantan, está prevista a chegada de um lote com 4 mil litros de insumo farmacêutico ativo (IFA), suficientes para a produção de 7 milhões de doses da vacina.

"O Butantan recebeu nesta manhã, da China, a previsão do envio de nova remessa de insumos ao Brasil para produção da vacina do Butantan. A chegada do novo lote com 4 mil litros de insumos está prevista para o dia 26", disse hoje o governador de São Paulo, João Doria.

Hoje, mais cedo, o secretário executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, já havia confirmado que os insumos chegariam ainda este mês ao Brasil.

A produção de vacinas contra a covid-19, no Butantan, estão paralisadas desde a última sexta-feira (14) por falta de insumos. Segundo o instituto, a falta de matéria-prima ocorreu por problemas burocráticos, provocados por declarações de membros do governo brasileiro sobre a China.

Na semana passada, o instituto e o governo do estado disseram que a Sinovac, farmacêutica chinesa parceira na produção dessa vacina, já havia fabricado 10 mil litros de insumo para serem enviados ao Brasil. Mas o governo chinês não estava autorizando o envio por causa de questões diplomáticas.

Hoje, entretanto, o instituto recebeu a informação de que parte dessa produção chega ainda este mês. Os 6 mil litros restantes aguardam autorização de envio pelo governo chinês. Ainda não há previsão de chegada desses insumos ao Brasil.

Ministro nega problemas burocráticos

Neste domingo (16), em Botucatu, no interior paulista, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, negou que problemas burocráticos estejam atrapalhando o envio de insumos ao país. Para ele, a dificuldade de envio da matéria-prima é um problema mundial, que não afeta somente o Brasil.

O Instituto Butantan tem dois contratos assinados com o Ministério da Saúde para o fornecimento de vacinas para a população brasileira por meio do Programa Nacional de Imunizações (PNI). O primeiro contrato, para fornecimento de 46 milhões de doses, já foi cumprido. Falta ainda um contrato de 54 milhões de doses, previsto para ser entregue em agosto. Até este momento, o Butantan entregou 47,2 milhões de doses de vacinas ao governo federal.


Mais Lidas