Covid-19: Por que estou tendo reações ao tomar vacina da AstraZeneca?

Vacina da AstraZeneca contra a covid-19 começou a ser aplicada no Brasil em janeiro de 2021

IMUNIZAÇÃO
Covid-19: Por que estou tendo reações ao tomar vacina da AstraZeneca?

Vacina da Astrazeneca - Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Atualizada em 04/06/21, às 18h55

Febre, dores fortes no corpo e de cabeça, náusea e calafrios. Esses foram os sintomas sentidos pelo bacharel em direito Lucas Aragão, de 28 anos, após tomar a primeira dose da vacina AstraZeneca/Oxford/Fiocruz. Integrante do grupo com comorbidades, o jovem recebeu a primeira dose do imunizante no dia 6 de maio. O relato dele é compartilhado por várias pessoas que também tomaram a vacina. As reações adversas foram relatadas de forma menos frequente em idosos (com 65 anos de idade ou mais). Mas, por que isso acontece?

 

>> É seguro tomar vacina da AstraZeneca? Por que jovens têm mais reações ao imunizante? Veja o que diz o médico

>> Quais vacinas são eficazes contra cepa indiana do novo coronavírus que chegou ao Brasil?

>> Trombose: gestantes que já receberam primeira dose da AstraZeneca devem ser tranquilizadas, defende epidemiologista

>> Risco de trombose por causa de vacina é milhares de vezes menor do que pela infecção por covid-19, explica médico da Fiocruz

 

Quais são os efeitos colaterais mais comuns e quanto tempo duram?

Os dados apresentados nos estudos clínicos de fase 3 da vacina comprovam que os efeitos colaterais sentidos por Lucas estão entre os mais comuns, e normalmente aparecem em um período de até dois dias após a vacinação. Os sintomas costumam durar por, no máximo, dois dias.

Os efeitos colaterais que ocorreram durante os estudos clínicos com a vacina covid-19 (recombinante) foram:

Muito comum (pode afetar mais de 1 em cada 10 pessoas)

  • Sensibilidade, dor, sensação de calor, coceira ou hematoma (manchas roxas) onde a injeção é
  • administrada
  • Sensação de indisposição de forma geral
  • Sensação de cansaço (fadiga)
  • Calafrio ou sensação febril
  • Dor de cabeça
  • Enjoos (náusea)
  • Dor nas articulação ou dor muscular

Comum (pode afetar até 1 em cada 10 pessoas)

  • Inchaço, vermelhidão ou um caroço no local da injeção
  • Febre
  • Enjoos (vômitos) ou diarreia
  • Sintomas semelhantes aos de um resfriado como febre acima de 38 °C, dor de garganta, coriza (nariz escorrendo), tosse e calafrios.

Incomum (pode afetar até 1 em cada 100 pessoas)

  • Sonolência ou sensação de tontura
  • Diminuição do apetite
  • Dor abdominal
  • Linfonodos (ínguas) aumentados
  • Sudorese excessiva, coceira na pele ou erupção na pele

Muito raro

  • Coágulos sanguíneos importantes em combinação com níveis baixos de plaquetas no sangue (trombocitopenia) foram observados com uma frequência inferior a 1 em 100.000 indivíduos vacinados.

Lucas conta que os sintomas só apareceram no dia 7 de maio, um dia após tomar a vacina. “No dia mesmo da vacina não senti nada, mas, ao acordar no dia seguinte, os efeitos vieram com tudo. Tive febre que ia e voltava durante o dia, dor de cabeça fortíssima que não passava, calafrios, um pouco de náusea e a dor no corpo que foi o sintoma que bateu mais forte. Meu corpo doía por inteiro. No segundo dia após a vacina eu já acordei bem melhor, apenas com uma dor de cabeça leve e ainda dor no corpo considerável, mas isso foi passando ao longo do dia, tanto que a noite eu estava me sentindo super bem, como se não tivesse sentido nada daquilo”, relatou o bacharel em direito.

O bacharel em direito Lucas Aragão tomou a primeira dose da vacina da AstraZeneca no dia 6 de maio
O bacharel em direito Lucas Aragão tomou a primeira dose da vacina da AstraZeneca no dia 6 de maio
Cortesia

Pacientes podem ainda apresentar um inchaço das glândulas na axila ou no pescoço, no mesmo lado do braço onde foi aplicado imunizante. A reação pode durar cerca de 10 dias, mas, se durar mais, é aconselhável consultar seu médico.

Se novos sintomas aparecerem a partir do 4º dia depois da vacinação, procure um médico.

Por que estou tendo reações?

Os especialistas explicam que esses efeitos colaterais, na maioria dos casos, não devem preocupar pois são apenas um efeito da vacina agindo no organismo. 

“Isso é uma reação imunológica. É o nosso organismo, a imunidade percebendo que tem algo que ela precisa produzir os anticorpos. Essa reação é esperada e é mais potente em jovens porque o sistema imunológico do jovem é mais ativo. Os idosos não estão fazendo com frequência esses eventos de febre e dor local. Isso acontece, exatamente, porque sua resposta imunológica é um pouco mais lento”, detalhou Eduardo Jorge Fonseca, médico e representante da regional pernambucana da Sociedade Brasileira de Imunização, em entrevista ao Balanço de Notícias, nesta sexta-feira (4). 

Ouça: 

De acordo com a Fiocruz, responsável pela produção do imunizante no Brasil, a vacina covid-19 (recombinante) estimula as defesas naturais do corpo (sistema imune). Isso faz com que o corpo produza sua própria proteção (anticorpos) contra o vírus causador da covid-19, o SARS-CoV-2. Isso ajudará a proteger o indivíduo contra a doença no futuro.

A fundação destaca que nenhum dos ingredientes dessa vacina pode causar a covid-19.

Aplicada em duas doses, a segunda injeção pode ser administrada entre 4 e 12 semanas após a primeira injeção.

Apesar das reações, Aragão, que está com a segunda dose agendada para o dia 4 de agosto, conta que não sentiu medo e que nada se compara à doença. "Eu já tinha me informado que poderia ter reações, porque é natural de algumas vacinas, e estava preparado psicologicamente pra isso. Sabia também que duraria um ou dois dias e isso acabou me deixando mais tranquilo. Apesar de ser chata, a reação não é nada comparada à doença", concluiu. 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.