JUSTIÇA

Suspeito de atear fogo em mulher trans, adolescente cumpre internação provisória na Funase


Roberta Silva, uma mulher trans de 32 anos, está internada no Hospital da Restauração após ter 40% do corpo queimado

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 28/06/2021 às 13:50
Divulgação/Funase
FOTO: Divulgação/Funase
Leitura:

O adolescente de 17 anos, apreendido após atear fogo contra uma mulher trans no Cais de Santa Rita, na área central do Recife, cumpre internação provisória na instituição e o período pode durar até 45 dias, segundo comunicou em nota a Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase).

Se for sentenciado ao cumprimento de uma medida socioeducativa em meio fechado, o adolescente permanecerá em atendimento pela Funase após o término da internação provisória.

Veja a nota:

"A Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) informa que o adolescente de 17 anos apreendido por ato infracional análogo à tentativa de homicídio qualificado contra uma mulher trans no Centro do Recife cumpre internação provisória na instituição. Nesse período, que pode durar até 45 dias, ele estará à disposição da Justiça. Se for sentenciado ao cumprimento de uma medida socioeducativa em meio fechado, o adolescente permanecerá em atendimento pela Funase após o término da internação provisória".

Relembre o caso

Na madrugada da última quinta-feira (24), nos arredores do Cais de Santa Rita, na área central do Recife, onde Roberta Silva, uma mulher trans de 32 anos e que mora na rua, foi queimada viva. Segundo relatou a vítima à co-deputada estadual Robeyoncé Lima (Juntas/Psol), o agressor se aproximou, jogou um produto inflamável e ateou fogo.

A vítima foi socorrida pelo Serviço Móvel de Urgências (SAMU) e levada para o Hospital da Restauração. Na unidade de saúde, Roberta ainda passou por um constrangimento. Ela foi inicialmente internada na ala masculina, sem ter respeitado seu gênero.

Em nota, a Secretaria de Saúde de Pernambuco informou que a vítima foi transferida para a ala feminina em menos de 24 horas.

Vítima teve braço amputado

Roberta continua internada em estado grave. Ela teve o braço esquerdo amputado no final de semana. De acordo com a assessoria de imprensa do HR, Roberta voltou para a enfermaria do setor de tratamento de queimados do Hospital da Restauração, após a cirurgia de amputação.

Na manhã desta segunda-feira (28), ela está consciente e não está intubada. A assessoria do HR informou, no entanto, que ainda há a possibilidade da vítima ser transferida para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), a depender da evolução do quadro.

A vítima é acompanhada pelo médico Marcos Barreto, referência no tratamento de vítimas de queimaduras e chefe do setor na unidade hospitalar.

Roberta teve 40% do corpo queimado. Partes do tórax, abdômen, braços, mãos, pescoço e cabeça foram atingidos pelo fogo. De acordo com Robeyoncé Lima, Roberta confirmou que a violência foi praticada por discriminação.


Mais Lidas