Lázaro Barbosa: Família ainda não foi buscar corpo de criminoso no IML; veja o que pode acontecer

Lázaro Barbosa morreu na segunda-feira (28) em operação da polícia de Goiás

LáZARO BARBOSA
Lázaro Barbosa: Família ainda não foi buscar corpo de criminoso no IML; veja o que pode acontecer

Lázaro Barbosa, de 32 anos, está sendo chamado de - Foto: Reprodução/ Internet

O corpo de Lázaro Barbosa ainda não foi retirado do Instituto de Medicina Legal (IML) de Goiânia, capital de Goiás. O criminoso morreu em operação da polícia na última segunda-feira (28).

A informação foi publicada pela TV Record na manhã desta quarta-feira (30) por volta das 6h30. Há um prazo de 30 dias para que o corpo seja retirado. A reportagem especulou que a família possa estar esperando passar alguns dias, já que o caso teve bastante repercussão e os familiares podem estar com medo de receber represálias da população. 

Anteriormente, uma tia de Lázaro, a lavradora Zilda Maria, havia dito que a família não tinha dinheiro para levar o corpo do criminoso até o estado da Bahia, onde a mãe de Lázaro, Eva Maria, mora. Ainda de acordo com a tia do homem, o corpo deve ser sepultado em um cemitério de Cocalzinho de Goiás, em um túmulo ao lado do corpo de um irmão de Lázaro, falecido há seis anos. 

Últimas notícias sobre Lázaro 

A defesa do fazendeiro Elmi Caetano Evangelista, de 74 anos, pediu na terça-feira (29) que ele fosse solto. O idoso está preso sob a suspeita de ajudar Lázaro Barbosa a fugir. Segundo a defesa, uma vez que Lázaro morreu, não há mais justificativa para que ele fique preso, já que não há mais risco do fazendeiro prestar ajuda na fuga do criminoso. 

Segundo as investigações, Elmi ajudou Lázaro por pelo menos cinco dias, dando abrigo e comida ao criminoso. A polícia acredita que Lázaro não agiu sozinho e que Elmi pode ser um dos líderes de uma quadrilha da qual Lázaro fazia parte. 

Relembre o caso

Lázaro Barbosa de Sousa, de 32 anos, fugiu da polícia durante 20 dias. As buscas começaram após uma chacina em Ceilândia, no Distrito Federal, quando quatro pessoas de uma mesma família foram mortas. Lázaro era o único suspeito de cometer os crimes. Na força-tarefa que buscou por Lázaro, 270 policiais, cães farejadores, helicópteros e até drones. 

Lázaro que havia crescido na região e trabalhado em fazendas das cidades por onde passou, era considerado um mateiro. Isto é, ele conhecia muito bem técnicas de sobrevivência na mata e isso dificultou muito o trabalho da polícia. 

Lázaro acabou sendo morto, após ser atingido por mais de 30 tiros em um confronto com a polícia na última segunda-feira (28), nas proximidades de Águas Lindas de Goiás, perto da casa de uma ex-sogra. 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.