ENERGIA ELÉTRICA

Vai ter apagão em 2021? Quais foram os maiores blecautes do Brasil?


Crise hídrica do Brasil tem deixado o país em alerta com relação ao risco de apagão

Atualizada em 31.08.21, às 7h49
Atualizada em 31.08.21, às 7h49
Publicado em 27/08/2021 às 8:49
Marcello Casal Jr./Agência Brasil
FOTO: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Leitura:

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou, nesta quinta-feira (26), que será preciso garantir uma produção adicional de energia, a partir de outubro, para atender à demanda que não poderá ser suprida pelas usinas hidrelétricas. O órgão atualizou uma nota técnica de monitoramento das condições do setor elétrico até novembro e calculou que a quantidade adicional necessária de energia será de 5,5 gigawatts médio (GWm) entre setembro e novembro. O documento enfatiza que os reservatórios das usinas estão com as piores afluências de água em 91 anos.

> Colapso na energia elétrica no Brasil? ''É possível que haja algum apagão'', diz o vice-presidente Hamilton Mourão

O presidente Jair Bolsonaro também voltou a pedir que a população economize energia elétrica. Durante sua live semanal nas redes sociais, na noite desta quinta-feira (26), o presidente classificou como "problema sério" a atual crise energética.

>>Ex-ministro de Minas e Energia diz que governo precisa reconhecer gravidade da situação e 'dar a cara à tapa'

>> Quanto custa a telha solar em concreto da Eternit? Conheça o 1º produto do tipo a ser vendido no Brasil

Vai ter apagão em 2021?

Diante da situação alarmante, cresce a preocupação dos brasileiros com relação ao risco de enfrentar um novo apagão (falta de energia) no país. Segundo cálculo do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) com dados da ONS apresentados em junho, o apagão deve acontecer se a média de longo tempo de chuvas ficar abaixo dos 61,5%.

Conforme revelado pelo portal Poder 360º, o percentual da Média de Longo Termo (MLT) é utilizado para monitorar o histórico de chuva no país desde 1931. Se estiver abaixo dos 100%, significa que chove menos do que a média histórica no país.

Executivos entrevistados pelo Jornal do Commercio confirmam que aumentou o risco de apagão (falta de energia) e de racionamento de energia - quando o governo federal obriga todos os cidadãos e as empresas a cumprirem metas de redução do consumo - ainda este ano.

>> Rio Capibaribe corre o risco de secar? Estudo mostra que o Brasil está ficando mais seco

Em nota, a ONS afirmou que está tomando todas as medidas técnicas e operacionais cabíveis para manter a continuidade do atendimento ao consumidor de energia elétrica no Brasil, mesmo considerando a sensível situação hídrica que atualmente enfrentamos, com o registro das afluências mais baixas dos últimos 91 anos no Sistema Interligado Nacional (SIN).

Maiores apagões do Brasil

O site BM&C News fez uma lista com os maiores apagões já registrados no Brasil. Veja abaixo:

Apagão de 2020

Em novembro de 2020, a principal subestação do Amapá pegou fogo e interrompeu o fornecimento de energia para 90% da população do Estado. O episódio ocorreu no dia 3 daquele mês e deixou 13 dos 16 municípios sem abastecimento ocasionando o famoso apagão. Por mais de dez dias, cerca de 765 mil pessoas ficaram sem energia elétrica.

As causas do acidente na subestação ainda estão sendo investigadas.

Apagão de 2018

No dia 21 de março de 2028, um grande apagão atingiu todas as regiões do país, tendo maior intensidade e duração no Norte e Nordeste. Os estados de Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rondônia, Sergipe e Tocantins foram os mais prejudicados.

O blecaute se deu em decorrência de uma falha na linha de transmissão ligada à usina de Belo Monte, no Pará, que não suportou um aumento de carga. A situação afetou 70 milhões de pessoas.

Apagão de 2013

Em 2013, no dia 28 de agosto, nove estados nordestinos foram atingidos por um apagão após queimada realizada em uma fazenda na cidade Canto do Buriti, no Piauí. O blecaute provocou o desligamento de duas linhas de transmissão paralelas e totalizou um corte de carga de 10.900 megawatts.

Apagão de 2011

Da noite do dia 3 de fevereiro até a madruga do dia 4 de 2011, 47,7 milhões de pessoas foram afetadas por uma falha na subestação Luiz Gonzaga, localizada no município de Jatobá, divisa do Pernambuco com a Bahia, que resultou em 90% do Nordeste sem luz. Apenas o Maranhão ficou de fora.

Apagão de 2009

No dia 10 de novembro de 2009, um apagão atingiu cerca de 90 milhões de pessoas após uma falha nas três linhas de transmissão provenientes da Usina Hidroelétrica de Itaipu. Além do Brasil, 90% do território do Paraguai também ficou sem energia.

Apagão de 2002

Um apagão registrado em 21 de janeiro de 2002, atingiu a região Centro-Sul do Brasil. A pane ocorreu por conta de um rompimento no cabo da linha de transmissão de energia que liga a Usina Hidroelétrica de Ilha Solteira à subestação de Araraquara, no interior de São Paulo.

Neste blecaute, pelo menos 10 estados ficaram sem energia elétrica. O estado de São Paulo foi o mais atingido nessa ocasião deixando 84% da população “no escuro” por cerca de 4 horas.

Apagão de 2001

Falta de investimentos na transmissão de energia elétrica com estiagem prolongada foi o motivo do apagão dos anos 2000, que ocorreu no Brasil entre 2000 e 2002. foi Este motivo fez reduzir drasticamente os níveis dos principais reservatórios de água no país trazendo a tona a famosa ‘crise do apagão’.

Nesta época, o governo FHC teve de elaborar um plano de racionamento para gerenciar a crise. Foi estabelecida uma meta de economia de 20% no consumo energético e consumidores que não atingissem este valor veriam sua conta de luz mais cara. O racionamento acabou em 2002 e as regiões Sudeste e Nordeste foram as mais afetadas na época.


Mais Lidas