PANDEMIA

Solicitações por UTI em Pernambuco atingem mesmo patamar de pico da primeira onda de covid-19, diz secretário de Saúde


Segundo o secretário André Longo, governo estadual já trabalha com possibilidade de adoção de mais medidas restritivas

Gabriel dos Santos
Gabriel dos Santos
Publicado em 11/01/2022 às 11:39
MIVA FILHO/SES
"Não vai dar para fazer uma campanha de vacinação muito ampla e rápida (para as crianças), como deveríamos", diz André Longo - FOTO: MIVA FILHO/SES
Leitura:

O governo de Pernambuco disse nesta terça-feira (11) que o número de solicitações por leitos de UTI já atinge o mesmo volume do pico da primeira onda da covid-19 no Estado. Na segunda-feira (10), por causa disso, o Estado anunciou medidas restritivas para tentar diminuir a contaminação pela doença. E mais: segundo o secretário estadual de Saúde, André Longo, o governo trabalha com a possibilidade de adoção de endurecer os protocolos sanitários. 

 

Na manhã desta terça, o secretário de saúde convocou uma entrevista coletiva para alertar sobre os riscos do avanço da doença em Pernambuco. "Contra ômicron, ter apenas uma dose de vacina contra covid é estar desprotegido. Precisamos de, ao menos, duas doses contra a variante. Ômicron poderá causar doença grave em que não tem as duas doses", afirmou o médico. 

"O potencial de reinfecção da ômicron é grande. Mas 40% dos idosos com as duas doses ainda não tomaram a dose de reforço. Os próximos dias podem ser muito grave se não mudarmos de atitude (em relação a medidas de proteção). Se mais medidas restritivas forem necessárias, adotaremos”, acrescentou André Longo, 

 

Entre as meninas restritivas anunciadas esta semana, estão um impedimento de pessoas não vacinadas de frequentarem ambientes privados como bares e restaurantes. As medidas chegam em um momento de agravamento da pandemia, que, agora, soma-se à epidemia de influenza (gripe), no Estado.

Segundo com André Longo, "O número de solicitações por leitos de UTI atinge o mesmo volume do pico da primeira onda de covid-19, em maio de 2020. Foram, na última semana, 805 solicitações por vagas de terapia intensiva".

Ainda segundo o secretário, o Estado está agindo com maior rigor agora em função da identificação da circulação da nova variante.

Confirmação

Foram confirmadas hoje, as seguintes medidas anunciadas ontem: a partir da próxima sexta-feira (14), será exigida a apresentação de passaporte vacinal para se ter acesso a serviços de alimentação, cinemas, teatros e museus. Já os eventos terão a capacidade máxima reduzida para três mil pessoas e, além da exigência de comprovação de duas doses, será preciso apresentar um teste negativo para covid-19, feito em no máximo 72h e não em 48h, como havia sido anunciado ontem. As medidas são válidas até o dia 31 de janeiro.

"Tinham eventos neste fim de semana, que acabaram por ser ajustados ou cancelados. Entendo como necessário fazer esse registro de compreensão neste momento difícil que novamente iremos passar. O que vai dizer como iremos enfrentar esta nova cepa é a nossa vacinação. Se a população estiver vacinada, nós temos tudo para enfrentar de maneira mais simples, amis fácil, ainda com todos os cuidados", justificou o secretário de Turismo do Estado, Rodrigo Novaes. 

O secretário de Turismo se solidarizou com a cadeia que depende da produção de festas no Estado, mas não sinalizou nenhuma reedição de auxílio. A decisão sobre a realização de festas privadas no Carnaval deste ano segue com previsão para anúncio no fim de janeiro. 

 

Cinthya Leite/JC
Coletiva do governo do Estado 11.01.2022 - FOTO:Cinthya Leite/JC

Mais Lidas