CASO BEATRIZ

CASO BEATRIZ: "Quatro peritos afirmam que a digital palmar pertence a um ex-aluno do colégio", diz mãe


Em entrevista à TV Jornal, Lucinha Mota revelou algumas informações que já haviam sido questionadas aos órgãos públicos referentes à elucidação do caso Beatriz

Ísis Lima Catêrine Costa
Ísis Lima
Catêrine Costa
Publicado em 12/01/2022 às 17:40
Notícia
 DAY SANTOS/JC IMAGEM
Pais da menina Beatriz - FOTO: DAY SANTOS/JC IMAGEM
Leitura:

Após a coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira (12) pela Secretaria de Defesa Social (SDS) para dar detalhes da prisão do suspeito de matar a menina Beatriz Angélica Moto, em dezembro de 2015, a mãe da criança conversou com a TV Jornal sobre o desfecho do caso. 

Em entrevista ao Programa Por Aqui, da TV Jornal, Lucinha Mota revelou questionamentos que havia feito aos órgãos públicos referentes à elucidação do caso Beatriz. "Eu questionei ao secretário se o DNA do assassino de Beatriz está no banco nacional e ele não soube me responder com exatidão ali naquele momento", disse.

A pergunta foi feita em uma reunião que a família teve com o secretário em 28 de dezembro, após uma peregrinação de 23 dias de Petrolina ao Recife.

A mulher também contou que o DNA do assassino da filha não consta no banco nacional por não estar dentro dos padrões solicitados pelo órgão.

A família de Beatriz solicitou à polícia que desejava realizar uma nova coleta, mas a SDS não autorizou. "O colégio não pagou uma nova perícia? Queremos usar essa mesma legislação. Ou são dois pesos de duas medidas?", afirmou.

>> Caso Beatriz: 'Se foi feito o DNA e deu positivo, outros elementos precisam ser confirmados', diz mãe após identificação de suspeito

>> Demissão de perito do caso Beatriz será publicada amanhã (29) no Diário Oficial

>> CASO BEATRIZ: saiba qual foi a motivação do crime ocorrido há 6 anos, no Sertão de Pernambuco

Digital de ex-aluno no local do crime

De acordo com Lucinha Mota, existem perícias com dois resultados e uma delas aponta a digital de um ex-aluno da escola no local do crime.

"Quatro peritos afirmam que a digital palmar pertencem a um ex-aluno do colégio. E outros dois peritos afirmam dizendo que não foi", contou se referindo a registros deixados na porta da sala em que o corpo da menina foi encontrado.

Lucinha Mota conta que ainda há um agravante de que esses dois peritos que afirmam o oposto dos outros quatro, a coleta não teria sido feita por eles. 

SDS barrou família de Beatriz da coletiva

Os pais da menina, Lucinha e Sandro Mota, foram barrados na porta da Secretaria de Defesa Social (SDS) de Pernambuco, no Recife, na manhã desta quarta-feira (12).

A intensão do Secretário de Defesa Social, Humberto de Barros, era receber a mãe de Beatriz, Lucinha Mota, apenas depois da realização da coletiva de imprensa. Portanto, a família da menina seria a última a ter as respostas que aguardam há mais de seis anos.

Aos gritos, Lucinha disse que não aceitava e que queria receber a respostas junto com a imprensa.

Após a reação da mãe, a assessoria de imprensa da SDS informou que o secretário Humberto de Barros recebeu a mãe da menina, antes da coletiva. 

Comentários


Mais Lidas