violência

PORTO DE GALINHAS HOJE: confira as últimas atualizações sobre a situação na região

Desde a morte de uma menina de seis anos, Porto de Galinhas está tomado por tensão e medo

Marcelo Aprígio
Marcelo Aprígio
Publicado em 01/04/2022 às 7:44
Notícia
REPRODUÇÃO DE VÍDEO
Ônibus incendiado no acesso a Porto de Galinhas - FOTO: REPRODUÇÃO DE VÍDEO
Leitura:

Desde a morte da menina Heloysa Gabrielly, de seis anos, na última quarta-feira (30), Porto de Galinhas, principal destino turístico de Pernambuco, está tomado por protestos e medo.

O assassinato da garota aconteceu durante uma ação policial. Por causa disso, moradores da comunidade Salinas, em Porto de Galinhas, no Grande Recife, inconformados, desencadearam uma série de manifestações pedindo Justiça.

Os populares acreditam que a morte da menina Heloysa tenha sido provocada por policiais militares, que teriam chegado atirando em uma praça da localidade.

A Polícia Militar, no entanto, afirma que o efetivo teria trocado tiros com suspeitos de tráfico de drogas, que atuam na comunidade.

A versão da PM, no entanto, se choca com imagens de circuito de segurança. Nelas é possível ver que, momentos antes da criança ser atingida por um tiro no peito, duas viaturas policiais perseguiam uma moto.

Só havia um homem nela, diferente da versão informada pela Polícia Militar de que havia dois suspeitos de tráfico de drogas fugindo. A investigação segue para descobrir de que arma partiu o tiro que matou Heloysa.

Clima de medo e tensão em Porto de Galinhas

A informação fez elevar ainda mais o clima em Porto de Galinhas. Nessa quinta-feira (31), o que se via nas ruas do ponto turístico eram medo, protestos, comércios fechados e questionamentos à ação dos policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope).

Perto das 20h, quando uma equipe da TV Jornal deixava a localidade em direção ao Recife, foi orientada pela polícia, assim como outros profissionais da imprensa, a esperar mais um tempo até seguir viagem.

Isso porque homens armados estariam abordando carros nas proximidades do acesso à Nossa Senhora do Ó. No local, havia também um ônibus incendiado.

Na manhã desta sexta-feira (1º), o ônibus que fora queimado durante a noite da quinta na pista de acesso à comunidade continuava no local. Para quem está no local, ainda é possível ver fumaça saindo do veículo.

Reforço da segurança

Na noite dessa quinta-feira (31), o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), determinou o reforço da segurança em Ipojuca. Cerca de 250 homens das polícias Militar e Civil seguiram em comboio para o Litoral Sul.

A gestão estadual informou que o governador monitorou o caso ao longo do dia, juntamente com o secretário estadual de Defesa Social, Humberto Freire, e do comandante da PMPE, coronel Roberto Santana.

Comentários

Mais Lidas