ESPORTE

Exame antidoping de Tandara deu positivo para anabolizante ostarina


Teste antidoping de Tandara foi realizado antes do embarque para Tóquio. Atleta foi suspensa

Da Agência Brasil
Da Agência Brasil
Publicado em 06/08/2021 às 13:32
Reprodução/ @volleyballworld
FOTO: Reprodução/ @volleyballworld
Leitura:

A Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) divulgou, nesta sexta-feira (6), comunicado informando que foi constatada a presença da substância proibida ostarina em exame antidoping realizado na atleta da seleção brasileira feminina de vôlei, Tandara Caixeta, em julho passado, antes do embarque para a Olimpíada de Tóquio 2020.

De acordo com a ABCD, a coleta do material biológico de Tandara foi feita no dia 7 de julho de 2021, no Centro de Treinamento de vôlei de quadra da seleção, em Saquarema-RJ, junto à coleta das outras atletas da equipe. Na quinta-feira passada (5 de agosto), o resultado do Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD) confirmou a presença da substância anabolizante ostarina que, pelo Código Brasileiro Antidopagem, implica na aplicação obrigatória de uma suspensão provisória da atleta.

>> Conheça o atleta que conquistou 1ª medalha olímpica do seu país

>> Brasil bate recorde de mulheres medalhistas nas Olimpíadas de Tóquio; veja quem são as atletas

Desligamento antes da semifinal

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) foi notificado pela ABCD na quinta-feira (5 de agosto) sobre o caso e desligou a jogadora da seleção de vôlei feminino, horas antes da semifinal da Olimpíada. O Brasil venceu a Coreia do Sul na semifinal por 3 sets a 0, nesta sexta-feira (6), sem a presença de Tandara.

Atleta se manifesta

Depois do desligamento da seleção de vôlei, Tandara Caixeta divulgou nas redes sociais uma nota dizendo que está trabalhando em sua defesa e só se manifestará após a conclusão do caso. Ela já está voltando ao Brasil.

A ostarina

Segundo a ABCD, a ostarina é uma substância pertence a classe de agentes anabolizantes, que são proibidos em competição e fora de competição pela Agência Mundial Antidopagem (AMA-WADA).


Mais Lidas