CORONAVÍRUS

Após polêmica, OMS esclarece que assintomáticos podem transmitir covid-19


"Sabemos que pessoas que não tem sintomas podem transmitir o vírus", reiterou a responsável técnica pelo time de combate à covid-19 da OMS

Com informações da Agência Brasil
Com informações da Agência Brasil
Publicado em 09/06/2020 às 15:01
Pixabay
FOTO: Pixabay
Leitura:

Após afirmar que a contaminação a partir de pessoas assintomáticas seria “rara”, a infectologista Maria Van Kerkhove - responsável técnica pelo time de combate à covid-19 da Organização Mundial da Saúde (OMS) - esclareceu nesta terça-feira (9), em uma entrevista especial, que houve um mal-entendido sobre a fala.

“Recebi muitas mensagens pedindo esclarecimentos sobre alguns argumentos que usei ontem durante a coletiva de imprensa. Acho importante esclarecer alguns mal-entendidos sobre minha fala de ontem. O que sabemos sobre transmissão é que [das] pessoas que estão infectadas com covid-19, muitas desenvolvem sintomas. Mas muitas não. A maior parte da transmissão conhecida vem de pessoas que apresentam sintomas do vírus e passam para outras através de gotículas infectadas. Mas há um subgrupo de pessoas que não desenvolvem sintomas. E para entender verdadeiramente esse grupo, não temos uma resposta concreta ainda. Há estimativas de que o número gire entre 6 a 41% da população. Mas sabemos que pessoas que não tem sintomas podem transmitir o vírus”, reiterou.

A médica fez questão, ainda, de frisar que há diferenças entre “pré-sintomáticos” - aqueles indivíduos que foram infectados, mas que ainda estão na fase de incubação do vírus - e “assintomáticos” - os indivíduos que, apesar de infectados por um período mais longo de tempo, não desenvolveram nenhum sintoma clássico da doença.

“O que fiz referência ontem, durante a coletiva de imprensa, foi a poucos estudos, dois ou três, que foram publicados e tentaram seguir casos assintomáticos. Eu estava apenas respondendo a uma pergunta [feita por jornalistas], não estava declarando qualquer mudança de abordagem da OMS. Nisso, usei a frase ‘muito rara’, mas isso não quer dizer que a transmissão vinda de pessoas assintomáticas seja ‘muito rara’ globalmente”, argumentou.

Foco prático

Segundo Mike Ryan, médico epidemiologista especializado em doenças infecciosas e diretor-executivo do programa de emergências da OMS, há um foco em ações práticas que diminuam os números de mortos e infectados por covid-19 em escala global. “Estamos tentando entender o que impulsiona a transmissão comunitária. Queremos salvar vidas. Quando damos conselhos sobre estratégias amplas de como controlar a doença, estamos focando em identificar os casos, acompanhar a trajetória [da infecção], testar esses casos e garantir que haja quarentena.”

O médico voltou a assegurar o entendimento da questão que, segundo a OMS, foi publicada por veículos de todo o mundo e gerou controvérsias sobre o papel do isolamento social e da quarentena. “Qualquer que seja a proporção de transmissão a partir de indivíduos assintomáticos - e esse número é desconhecido -, ela [a transmissão] está ocorrendo. Estamos convencidos disso. A questão é o quanto".

Infectologista comenta declaração da OMS

Na avaliação do infectologista Gabriel Serrano, Maria Van Kerkhove se expressou mal. No entanto, na avaliação dele, é importante respeitar a Organização Mundial da Saúde (OMS) pois é "a instituição mais importante do mundo no tema saúde".

"Eu acho que ela se expressou mal. Ela quis tentar diferenciar os pacientes pré-sintomáticos dos assintomáticos e isso acabou trazendo uma certa confusão. O que ela quis dizer é que você tem aqueles pacientes que não vão ter sintomas em momento nenhum e você vai ter aqueles que vão ter sintomas, mas que antes disso eles não sentem nada e já transmitem [o coronavírus]", comentou o infectologista.

O especialista ainda lembrou que o estudo citado pela infectologista da OMS foi realizado em país com alta testagem, uma das principais medidas para entender a situação da pandemia. "O estudo que ela se referiu foi realizado em países onde se testava muito. Ou seja, você tinha como saber que a pessoa tinha a infecção pelo coronavírus antes mesmo dela apresentar sintomas. Não chega nem perto do que temos no Brasil. Nós somos o segundo país com maior número de casos, atualmente somos o epicentro, é o país que mais tem casos por dia mas a gente não chega nem perto dos exames realizados. A gente está depois do 100º lugar (...) Falta programação para aumentar o número de exames por isso é muito importante no combate necessário ao coronavírus", comentou.

Ele reforça que é importante manter as medidas de isolamento social para impedir a infecção. "A gente precisa manter o isolamento, o uso de máscara e respeitar as medidas de higiene. São as únicas maneiras palpáveis que gente tem contra a transmissão viral", afirmou.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.


Mais Lidas