Caso Miguel: Sari Corte Real ainda não prestou depoimento à polícia

Miguel Otávio, de 5 anos, faleceu no dia 2 de junho, após cair de uma altura de 35 metros quando estava sob os cuidados de Sari

INVESTIGAÇÃO
Caso Miguel: Sari Corte Real ainda não prestou depoimento à polícia

Miguel tinha apenas 5 anos - Foto: Reprodução/ Redes Sociais

A uma semana do fim do prazo de 30 dias para a conclusão do inquérito que investiga a morte do menino Miguel Otávio, de 5 anos, a empregadora da mãe da criança, Sari Corte Real, ainda não falou com a polícia. A mulher foi autuada em flagrante por homicídio culposo após deixar a vítima entrar sozinha no elevador, o que o levou até o nono anda do prédio, de onde caiu de uma altura de 35 metros. No dia do caso, Sari ficou calada durante o depoimento à polícia.

Sete pessoas foram ouvidas. O delegado responsável pela investigação e titular da Delegacia Seccional de Santo Amaro, Ramón Teixeira, escuta novamente a mãe do garoto. Mirtes Renata presta depoimento na tarde desta quinta-feira (25).

De acordo com o advogado de Sari, Pedro Avelino, o delegado está esperando que os peritos entreguem a conclusão do laudo da perícia para ouvir Sari. 

Mais cedo, em contato com a reportagem da Rádio Jornal, Mirtes Renata contou que não recebeu salário referente ao mês de junho. O último pagamento efetuado pelos patrões aconteceu no final de maio. Após a trágica morte de seu filho, doméstica deixou a casa em que trabalhava, mas não recebeu nenhuma confirmação de desligamento. Também foi descoberto que Mirtes recebia pela folha de pagamento da Prefeitura de Tamandaré. O marido de Sari, Sérgio Hacker Corte Real (PSB), é prefeito da cidade. Segundo Mirtes, suas advogadas estão tomando providências referentes ao salário de Mirtes. 

Relembre o caso

De acordo com a perícia, quando caiu do 9º andar, Miguel estaria procurando pela mãe
De acordo com a perícia, quando caiu do 9º andar, Miguel estaria procurando pela mãe
Cortesia

No dia 2 de junho, uma terça-feira, Mirtes Renata, que trabalhava como empregada doméstica na casa de Sarí Corte Real, deixou seu filho, Miguel Otávio, de 5 anos, sob a responsabilidade da patroa e desceu para passear com o cachorro da família. No entanto, após negligência da empregadora, a criança caiu de uma altura de 35 metros. O menino estava procurando pela mãe no momento do crime. 

Imagens do circuito interno de segurança do prédio onde a criança caiu mostraram o momento em que o menino foi deixado sozinho no elevador. Em um vídeo, registrado às 13h08, a dona do apartamento aparece segurando a porta do elevador e conversando com o menino. Em seguida, depois de algum tempo de conversa, Miguel sai do equipamento. Dois minutos depois, ele volta sozinho, entra novamente no elevador e Sarí vai atrás. É neste momento que ela aperta o último botão onde fica a cobertura, a porta fecha e Miguel aciona outros andares. Antes de parar no nono andar, o elevador parou no sétimo andar.  

Mirtes contou ainda que Sarí estava fazendo as unhas com uma manicure no momento em que Miguel caiu. 

Sarí Corte Real é espora do prefeito de Tamandaré, no Litoral Sul de Pernambuco, Sérgio Hacker. Ela foi presa em flagrante por homicídio culposo e liberada, após pagamento de fiança no valor de R$20 mil. 

De acordo com a polícia, as imagens das câmeras de segurança foram a principal prova da "negligência" da mulher, como a polícia definiu. As investigações do caso estão com o delegado Ramón Teixeira, titular da Delegacia Seccional de Santo Amaro.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.