Pandemia do novo coronavírus

Pernambuco busca percentual de isolamento de 60% em quarentena que começa nesta quinta-feira; saiba o que pode e o que não pode


Alta de casos e de mortes por covid-19 provou endurecimento das medidas necessárias para contenção da pandemia no Estado

Gabriel dos Santos Araujo Dias
Gabriel dos Santos Araujo Dias
Publicado em 17/03/2021 às 12:32
Reprodução/TV Jornal Interior
FOTO: Reprodução/TV Jornal Interior
Leitura:

Comércio fechado, caminhada proibida no calçadão das praias e nada de sentar na mesa de bares e restaurantes. Essas e outras medidas passam a valer a partir desta quinta-feira (18) em todo o Estado de Pernambuco e devem ser mantidas até o domingo (28). A “quarentena”, como é chamada pelo governo, pretende diminuir a transmissão do novo coronavírus, que se agravou e já deixou mais de 11.470 pessoas mortas no Estado. A pretensão do governo é que o isolamento social chegue a 60%, mas as pessoas poderão circular livremente pelas ruas.

A quarentena foi decretada no momento em que o país passa pelo pior estágio da pandemia desde os primeiros casos registrados no início do ano passado. Nesta semana, Pernambuco confirmou que 96% dos leitos de UTI reservados para pacientes com covid-19 já estão ocupados na rede pública estadual de Saúde. Mesmo com o agravamento da pandemia, a população continuou nas ruas seja para trabalhar ou para se divertir.

O Estado chegou a decretar que serviços não essenciais não funcionassem nos últimos dois finais de semana. Mesmo assim, a taxa de isolamento foi de apenas 43,1% no último sábado (13) e 50,9% no domingo (14), de acordo com a empresa de geolocalização In Loco. Nessa terça-feira (16), também de acordo com a In Loco, apenas 33,5% das pessoas ficaram em casa. Esta foi a pior taxa entre todos os estados do Nordeste e pior até que a média nacional que foi de 34,4% de isolamento. O ideal, de acordo com cientistas, é que 70% da população cumpra o isolamento para diminuir a transmissão do vírus.

A intenção do governo, agora, é fechar quase tudo para diminuir as aglomerações nas ruas. Com isso, apenas os serviços definidos pelo governo como essenciais vão poder funcionar. Entretanto, não foram estabelecidas regras de circulação. Ou seja, as pessoas vão poder continuar circulando pela cidade e não vai haver fiscalização para identificar se o indivíduo que estiver na rua estará, de fato, em busca de um serviço essencial.

Confira agora o que pode e o que não pode funcionar:

Estão proibidos de funcionar

Durante o período de quarentena, ficarão proibidos de funcionar os serviços de:

bares e restaurantes
shoppings e galerias comerciais
óticas
salas de cinema e teatros
academias
salão de beleza e similares
comércio varejista de vestuário, calçados, eletroeletrônicos e linha branca, cama, mesa e banho e produtos de armarinho
escolas e universidades (públicas e privadas)
clubes sociais, esportivos e agremiações; práticas e competições esportivas
praias, parques e praças
ciclofaixas de lazer
eventos culturais e de lazer, além dos sociais
Igrejas e demais templos religiosos poderão abrir para atividades administrativas e para preparação e realização de celebrações via internet.

Estão permitidos de funcionar

Permanecerão ativos os seguintes serviços considerados essenciais:

supermercados
padarias
farmácias
postos de combustíveis
petshop
clínicas, ambulatórios e similares
bancos e lotéricas
transporte público
indústrias, atacado e termoelétricas
construção civil
material de construção
materiais e equipamentos de informática
lojas de materiais e equipamentos agrícolas
oficinas e assistências técnicas
lojas de veículos


Mais Lidas