INVESTIGAÇÃO

Lista com nomes de mulheres, incluindo Patrícia Roberta, é achada no apartamento do suspeito de matar jovem de Caruaru


O corpo da jovem Patrícia Roberta, de 22 anos, foi encontrado no início da tarde desta terça-feira, em João Pessoa, na Paraíba

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 27/04/2021 às 16:20
Reprodução/Arquivo pessoal
FOTO: Reprodução/Arquivo pessoal
Leitura:

As buscas pelo principal suspeito de matar a jovem Patrícia Roberta Gomes da Silva, de 22 anos, continuam. O corpo da jovem de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, foi encontrado na tarde desta terça-feira (27), em João Pessoa, na Paraíba. Ela estava desaparecida desde o domingo (25), depois de perder contato com a família. A garota havia ido visitar um suposto amigo na cidade.

Segundo a perita do Instituto de Criminalística da Paraíba Amanda Melo, uma folha com mais de 20 nomes de mulheres foi encontrada no apartamento do suspeito e o nome de Patrícia estava nessa lista. “Encontramos vários manuscritos. Pedi o exame grafotécnico para saber se foi escrito pelo suspeito. Fiz isso porque o conteúdo dos escritos era bastante perturbador (...) Em algumas partes havia escrito ‘eu saio à noite para matar’, ‘você é uma menina boa, eu sou um menino mau’. Isso são pequenos trechos de um vasto conteúdo que nós encontramos escritos”, detalhou a perita.

A organização do apartamento do suspeito chamou a atenção da perícia. “Aliado a alguns vestígios do local, a gente pode ter um entendimento comportamental desse suspeito, e isso é de grande relevância para as investigações. O ambiente era extremamente limpo e organizado, isso já nos leva a enxergá-lo com outros olhos porque não é o normal de ser encontrado”, revelou.

Deep web

Amanda Melo ainda contou que o jovem matinha papéis com senhas de acesso à deep web. “Achamos alguns papeis com senhas de acesso a sites adultos e um que me chamou bastante atenção foi a deep web, que é uma região secreta e as pessoas costumam pesquisar sobre crimes”, disse.

Segundo a perita, também foram encontrados livros de ritual.

Fora da residência do suspeito, em um tonel de lixo, a perícia encontrou peças femininas, inclusive os óculos, que foram identificados como sendo de Patrícia.

A polícia continua as buscas pelo suspeito.

Entenda o caso

Segundo familiares, Patrícia Roberta teria ido visitar um suposto amigo em João Pessoa, na Paraíba, na última sexta-feira (23). Ela voltaria para Caruaru na segunda-feira (26) e estava mantendo contato com a família durante a viagem. No entanto, no domingo (25), Patrícia parou de responder às mensagens dos familiares.

Em entrevista ao NE10 Interior, a prima de Patrícia, Karen Melo, disse que na última semana a jovem havia falado com ela pedindo ajuda para comprar uma passagem de ônibus e informou à família que iria viajar para João Pessoa para encontrar um amigo, que teria estudado com ela no colégio em Caruaru, quando era mais nova.

Karen contou que o suspeito insistia há um bom tempo para que Patrícia fosse conhecer a cidade e se encontrar com ele. "Eu ajudei [a comprar a passagem] mas a gente ainda deu o conselho para ela não vir [para João Pessoa] porque a gente não conhecia ele. Mas ela, por já ter estudado com ele, conhecia e tinha um nível de confiança nele que levou ela a vir", contou.

Com ajuda de familiares e conhecidos, a família descobriu que Patrícia estaria em um prédio no bairro de Gramame, em João Pessoa, na Paraíba. Ainda sem contato com a jovem na segunda-feira (26), os familiares decidiram ir até João Pessoa para encontrá-la.

Troca de mensagens com a mãe

Patrícia trocou mensagens com a mãe antes de desaparecer
Patrícia trocou mensagens com a mãe antes de desaparecer
Reprodução/Arquivo pessoal

Patrícia conversava com a mãe por mensagens e chegou a relatar que estava triste durante uma chamada de vídeo. A mãe mantinha contato com a filha durante o dia e em uma das conversas a jovem disse "eu só quero ir pra casa", porque estaria trancada dentro do apartamento onde estava hospedada.

Momentos antes de deixar de falar com a mãe por mensagem no dia em que desapareceu, Patrícia disse que o amigo voltaria com ela para Caruaru.

Segundo a mãe da garota, Verônica Josefa, o suposto amigo da jovem, que não teve o nome revelado, tem dado versões diferentes sobre o desaparecimento de Patrícia. “Tem um print em que ele diz ter colocado ela no ônibus, disse que chamou um Uber para levar ela, depois disse que foi uma colega que chamou. Ele está sem dizer coisa com coisa. Está em contradição. Também tem um print dele que diz ‘meu pai me induziu a só comparecer à delegacia amanhã’. Quer dizer, o pai sabe de alguma coisa”, contou dona Verônica.

A Polícia Civil iniciou as buscas nesta terça-feira (27) e o corpo da garota foi encontrado no início da tarde.


Mais Lidas