HOMOFOBIA

Polícia procura 'serial killer' de homossexuais, e vê indícios de crime de ódio


Segundo a polícia, as vítimas foram atraídas por um aplicativo de relacionamento usado por pessoas LGBTQIA+

Atualizada às 15h49
Atualizada às 15h49
Publicado em 18/05/2021 às 14:48
Reprodução/ PCPR
FOTO: Reprodução/ PCPR
Leitura:

A Polícia Civil do Paraná procura um homem de 32 anos suspeito de matar e roubar três jovens homossexuais. Os crimes supostamente praticados por José Tiago Correia Soroka teriam ocorrido em um intervalo de menos de um mês. Mesmo sendo investigados como latrocínio, que é o roubo seguido de morte, a polícia não descarta de crime de ódio.

As vítimas tinham boas condições e financeiras moravam só. Os homens foram identificados como: David Júnior Alves Levisio, de 30 anos, morto no dia 27 de abril, e o estudante de Medicina Marco Vinício Bozzana da Fonseca, de 25 anos, assassinado em 4 de maio, moravam em Curitiba. José Tiago Correia Soroka também é suspeito pela morte do professor universitário Robson Olivino Paim, 36, na cidade de Abelardo Luz (SC), no dia 16 de abril.

No dia 11 de maio, o homem tentou matar mais um homossexual, no bairro Bigorrilho, em Curitiba. Na ocasião, a vítima conseguiu resistir ao ataque, mas teve alguns bens subtraídos.

O suspeito levou os celulares e o computador das vítimas.

Aplicativo de relacionamento LGBTQIA+ usado para atrair vítimas

Segundo o delegado responsável pela investigação em Curitiba, Thiago Nóbrega, o modo de agir do suspeito foi semelhante nos três casos. Ele buscava as vítimas por meio do aplicativo Grindr, voltado para encontros entre pessoas LGBTQIA+, utilizava um perfil falso, se identificando por outros nomes e sem usar foto do rosto.

Os corpos dos dois jovens gays que foram mortos em Curitiba e do homem assassinado em Santa Catarina foram encontrados deitados na cama de barriga para baixo, vestidos, com as mãos para trás, e um cobertor na cabeça, o que indica que podem ter sido asfixiados.

Ainda de acordo com delegado Nóbrega, Soroka usava internet somente em estabelecimentos públicos para evitar ser rastreado.

Serial Killer

Segundo o portal Gazeta do Povo, o delegado Thiago Nóbrega revelou que o suspeito é perigoso e que pode haver mais vítimas. Ele ainda compara Soroka a um "serial killer". Em uma das tentativas de homicídio, o suspeito chegou a se comparar ao Coringa, personagem de histórias em quadrinhos e do cinema.

“Ele teve esta frieza de falar para a vítima que ele era o Coringa e que gostava de matar. Estamos diante de um psicopata, um serial killer, que não mede esforços. Não sabemos se isso é coincidência ou mesmo um planejamento, e por isso nosso alerta e a divulgação das fotos deste cidadão”, alertou o delegado.

Como denunciar?

Denúncias sobre a localização de José Tiago podem ser feitas de forma anônima pelos telefones 197 da Polícia Civil do Paraná, 181 Disque Denúncia ou pelo 0800-643-1121, diretamente à equipe de investigação.


Mais Lidas