Saúde do homem

Faloplastia: como é feita a cirurgia de aumento peniano? Pode aumentar em quantos centímetros? Pode deformar o pênis? Entenda


A pouco conhecida cirurgia de aumento peniano, ou faloplastia, ganhou repercussão após cantor sertanejo que participa do reality show A Fazenda 13 dizer que fez cirurgia

Gabriel dos Santos
Gabriel dos Santos
Publicado em 19/07/2021 às 9:08
Reprodução
FOTO: Reprodução
Leitura:

Apesar de vários estudos relatarem que o comprimento médio do pênis não passa muito de 14cm (quando ereto), muitos homens ainda parecem se preocupar com o tamanho do órgão. Nos últimos dias, uma cirurgia pouco comum tem repercutido nas redes sociais. A "faloplastia" é um procedimento que promete aumentar o pênis e ganhou fama após o sertanejo Tiago Piquilo (participante do reality show A Fazenda 13) afirmar que passou pela técnica e ter ficado feliz com o resultado. De acordo com o médico que operou o cantor, o aumento peniano pode ser de até 5cm, mas alguns especialistas alertam para os riscos da operação.

“Foi muito de boa, muito tranquilo. É como se eu não tivesse feito nada. A gente só entende que fez, porque realmente ela traz um resultado visível. É um negócio bem louco. Está muito recente ainda para falar: “está tudo certo”. Mas você fala: “caramba, é possível mesmo”. Na cabeça dos homens, eu te confesso, acho que ninguém tem essa noção, só quem faz mesmo”, disse Tiago em entrevista ao portal G1.

Como a faloplastia é feita?

Segundo o cirurgião plástico Cláudio Eduardo Pereira de Souza, a cirurgia “consiste no aumento do comprimento do pênis e no aumento de seu diâmetro”. Foi ele quem operou Tiago. “Cada paciente é um paciente. As medidas de ganho variam. Tudo depende do quanto de pênis o paciente teria embutido, podemos dizer assim”, explicou o médico.

Na prática, conforme apuração do Correio Braziliense, na cirurgia, o médico retira uma parte que fica interna do órgão (a crura) e faz uma pequena incisão na parte acima da base do pênis para conectar o membro ao osso púbico. Além disso, o cirurgião também pode injetar gordura retirada de outra parte do corpo do paciente entre o corpo cavernoso e a pele, o que pode aumentar a circunferência do pênis.

“Não existe uma técnica padrão para a faloplastia, podendo ser utilizadas várias técnicas, como a secção do ligamento suspensor do pênis, uso de retalhos de tecidos, enxerto de próteses biológicas, lipoaspiração da gordura supra-púbica, ou mesmo uso de próteses penianas em caso de disfunção erétil associada”, explicou urologista Bruno Vilete do Hospital Santa Marta.

No entanto, algumas pesquisas alertam que o próprio organismo do ser humano pode reabsorver cerca de 30% da gordura injetada nos primeiros dois meses, após a cirurgia. O pênis também pode diminuir o tamanho novamente (em até 80%), até um ano após o procedimento.

Quando a faloplastia é indicada?

Vários especialistas ouvidos pelo jornal Estado de Minas afirmam que a faloplastia deve ser adotada em casos fisiológicos e, não, estéticos. Isto é, em razão dos seus riscos, o paciente não deve ser submetido à cirurgia apenas para aumentar o tamanho do órgão reprodutor.

Para o diretor-presidente da Sociedade Brasileira de Urologia — Seccional do Distrito Federal, Eduardo Pimentel, a faloplastia deve ser adotada para corrigir problemas que afetam o órgão. “A faloplastia é empregada em várias situações em que existe uma deformidade do pênis, como uma criança que nasceu com a uretra fora do lugar, essa correção é uma faloplastia, ou homem com pênis torto, ou até que sofreu um trauma, ou uma queimadura, o tratamento pode envolver a faloplastia”, disse.

Diferente do que o médico que operou o sertanejo Tiago diz, o urologista Bruno Vilete explica que não é possível garantir o tamanho do pênis após a cirurgia e indica que pode haver, inclusive, diminuição no órgão. “Não há uma aumento garantido com qualquer que seja a técnica empregada, sendo que em alguns estudos observou-se aumentos de 2 a 5 cm e em outros mostram até perda de dimensões (-1cm a 3 cm)”.

Riscos

“Não existe nenhuma cirurgia isenta de risco. Todas têm um risco, o que me preocupa é que quando você faz uma cirurgia no pênis, que tem duas funções fisiológicas de extrema importância, como a de excreção e reprodução, dependendo do nível de problemas na cirurgia pode ocorrer um comprometimento dessas funções. A gente tem de ter muito cuidado de não sair de uma cirurgia com mais problemas do que quando entrou”, disse Pimentel.

“A sociedade não é simpática à faloplastia para aumento peniano apenas por questões estéticas, apesar disso ser feito. Essa indicação é clara, na sociedade, que a cirurgia tem de ter uma razão fisiológica”, acrescenta o diretor-presidente da Sociedade Brasileira de Urologia, no DF.

De acordo com Bruno Vilete, é ainda necessário tomar cuidado com as questões psicológicas do paciente. “A demanda das pessoas pelo corpo perfeito está cada vez mais explícita no nosso dia a dia. É provável que os ‘modelos de perfeição’ influenciem os comportamentos e tendências, fazendo com que os indivíduos busquem por soluções ‘milagrosas’ para se sentirem adequados para exposição na sociedade, o que consequentemente influi no aumento da ansiedade, depressão e sensação de inadequação social”, disse.

“A decisão em fazer o procedimento apenas baseada na tentativa de melhorar aparência estética genital, sem levar em consideração outros fatores que influenciam, como transtornos da autopercepção corporal, levam a um grande número de insatisfação com os resultados”, conclui Vilete.

 

>>> LEIA MAIS: Médico diz que pacientes costumam ficar insatisfeitos com resultado de faloplastia; entenda o motivo

 

Psicológico

Segundo o jornal Exttra, a Sociedade Brasileira de Urologia diz que a maioria dos homens que busca pela faloplastia tem um pênis normal. “Trata-se de uma dismorfofobia na qual o paciente faz uma interpretação errônea das dimensões da sua genitália. Como o nível de ansiedade é alto, nestes casos, o paciente realmente ‘procura uma solução’ e vai acreditar nos resultados apresentados pelo profissional, independentemente da idoneidade ou não dos resultados apresentados”, explica a sociedade. A orientação da entidade é “não operar estes pacientes, e sim tratar o transtorno psicológico”, uma vez que “a proposta de aumento peniano como um procedimento cosmético do pênis normal é ainda considerada uma técnica investigacional e experimental”.


Mais Lidas