Audioteca | ENTREVISTA

"Ninguém é dono da verdade", diz deputado sobre negociações com PM


Joel da Harpa rebateu informação de que as associações ligadas à PM não queriam sua liderança nas negociações do reajuste com o Governo do Estado

Publicado em 09/02/2017, às 12:17


Rádio Jornal
Luiza Falcão
Foto: Reprodução/ Facebook Joel da Harpa


Em entrevista ao quadro passando a Limpo da Rádio Jornal, o deputado estadual Joel da Harpa (PTN) rebateu a informação de que as associações ligadas à Polícia Militar de Pernambuco não estariam confortáveis com a sua liderança à frente das negociações do reajuste salarial da categoria na Assembleia Legislativa. De acordo com o deputado, em nenhum momento está havendo discordância com os deputados ou com as associações.

O parlamentar afirmou ainda que estava se reunido com os representantes de associações ligada à PM para uma reunião com a bancada de oposição sobre as emendas que os deputados querem que o Governo do Estado mude. Entre as mudanças propostas, os parlamentarem querem paridade no reajuste independente da patente e também a diferença de valores entre salários. 

» Joel da Harpa apresenta contraproposta para reajuste de militares
» Oposição convoca associações militares para discutir reajuste salarial

Outra demanda é o fim da dupla punição, quando o militar só progrede e recebe aumento se não tiver nenhuma punição no período de um ano. "Ninguém pode responder duas vezes pelo mesmo crime", diz.

De acordo com o deputado, o governo rejeitou a contraproposta do reajuste da PM alegando que não é possível dentro do orçamento da gestão. "O governo precisa dizer isso no poder legislativo porque em nenhum momento teve conversa com as entidades representativas de forma formal com o próprio governador liderando pra mostrar que não tem condições", disse. "Ao contrário insiste numa truculência e não negocia com as lideranças, prefere ameaçar de exclusão de prisão, de colocar pra fora, ameaçar comandos e a categoria não vai aceitar esse tipo de atitude do governo. Não recua e sem associações não negocia", completou. "Em qualquer negociação, ninguém é dono da verdade", desabafou.

Sem direito à sindicalização

"A falta de reconhecimento por parte do governo das associações é um problema nacional, mas já é reconhecido pelo Ministério Público Federal", disse Joel da Harpa. "A categoria está disposta a negociar", mas para isso é necessário que se reconheça e se respeite as associações dos militares. Para o deputado, isso não configura sindicalização.

Audioteca

"Ninguém é dono da verdade", diz deputado sobre negociações com PM



Publicado em 09/02/2017, às 12:17


Rádio Jornal
Luiza Falcão
Foto: Reprodução/ Facebook Joel da Harpa


Em entrevista ao quadro passando a Limpo da Rádio Jornal, o deputado estadual Joel da Harpa (PTN) rebateu a informação de que as associações ligadas à Polícia Militar de Pernambuco não estariam confortáveis com a sua liderança à frente das negociações do reajuste salarial da categoria na Assembleia Legislativa. De acordo com o deputado, em nenhum momento está havendo discordância com os deputados ou com as associações.

[uolmais_audio 16135546]

O parlamentar afirmou ainda que estava se reunido com os representantes de associações ligada à PM para uma reunião com a bancada de oposição sobre as emendas que os deputados querem que o Governo do Estado mude. Entre as mudanças propostas, os parlamentarem querem paridade no reajuste independente da patente e também a diferença de valores entre salários. 

» Joel da Harpa apresenta contraproposta para reajuste de militares
» Oposição convoca associações militares para discutir reajuste salarial

Outra demanda é o fim da dupla punição, quando o militar só progrede e recebe aumento se não tiver nenhuma punição no período de um ano. "Ninguém pode responder duas vezes pelo mesmo crime", diz.

De acordo com o deputado, o governo rejeitou a contraproposta do reajuste da PM alegando que não é possível dentro do orçamento da gestão. "O governo precisa dizer isso no poder legislativo porque em nenhum momento teve conversa com as entidades representativas de forma formal com o próprio governador liderando pra mostrar que não tem condições", disse. "Ao contrário insiste numa truculência e não negocia com as lideranças, prefere ameaçar de exclusão de prisão, de colocar pra fora, ameaçar comandos e a categoria não vai aceitar esse tipo de atitude do governo. Não recua e sem associações não negocia", completou. "Em qualquer negociação, ninguém é dono da verdade", desabafou.

Sem direito à sindicalização

"A falta de reconhecimento por parte do governo das associações é um problema nacional, mas já é reconhecido pelo Ministério Público Federal", disse Joel da Harpa. "A categoria está disposta a negociar", mas para isso é necessário que se reconheça e se respeite as associações dos militares. Para o deputado, isso não configura sindicalização.