Notícia | BASTIDORES DO PODER

"Hoje é um dia triste para o Brasil", diz colunista Eliane Cantanhêde


Colunista comentou a 24ª fase da Operação Lava Jato, que tem como principal alvo o ex-presidente Lula.

Publicado em 04/03/2016, às 09:15

Da Rádio Jornal
Atualizada às 9h15
Eliene Cantanhêde comenta mandado de condução coercitiva de Lula: é um dia muito triste para o Brasil

A jornalista Eliene Cantanhêde conversou nesta sexta-feira (4) com o comunicador Geraldo Freire em edição especial da coluna Bastidores do Poder, que vai ao ar nas segundas-feiras na Rádio Jornal. A comentarista política analisou a 24ª fase da Operação Lava Jato, que tem como principal alvo o ex-presidente Lula. Ouça a conversa na íntegra:

Para Cantanhêde, o envolvimento de um ex-presidente em uma operação Polícia e a suspeita de ligação com esquemas de corrupção são muito tristes e devem ser vistos com cautela. Para ela, sempre existiu um mito de que a direita era corrupta e a esquerda, honesta. Porém, com as casos descobertos durantes os governos Lula e Dilma, a afirmação caiu por terra. 

 

Publicidade

Comentários

Notícia

"Hoje é um dia triste para o Brasil", diz colunista Eliane Cantanhêde



Publicado em 04/03/2016, às 09:15


Da Rádio Jornal
Atualizada às 9h15
Eliene Cantanhêde comenta mandado de condução coercitiva de Lula: é um dia muito triste para o Brasil

A jornalista Eliene Cantanhêde conversou nesta sexta-feira (4) com o comunicador Geraldo Freire em edição especial da coluna Bastidores do Poder, que vai ao ar nas segundas-feiras na Rádio Jornal. A comentarista política analisou a 24ª fase da Operação Lava Jato, que tem como principal alvo o ex-presidente Lula. Ouça a conversa na íntegra:

[uolmais_audio 15787684]

Para Cantanhêde, o envolvimento de um ex-presidente em uma operação Polícia e a suspeita de ligação com esquemas de corrupção são muito tristes e devem ser vistos com cautela. Para ela, sempre existiu um mito de que a direita era corrupta e a esquerda, honesta. Porém, com as casos descobertos durantes os governos Lula e Dilma, a afirmação caiu por terra.