Notícia | CRISE PENITENCIÁRIA

TJPE define medidas para evitar massacres nos presídios do Estado


Medidas foram tomas após reunião realizada na tarde desta terça-feira (10) e visam prevenir massacres como os registrados nos presídios de Manaus e Roraima

Publicado em 10/01/2017, às 17:58

Rádio Jornal
Foto: Acervo/ JC Imagem

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) definiu algumas medidas com objetivo de evitar massacres nas unidades prisionais do Estado como os registrados em presídios de Manaus e Roraima nestes primeiros de janeiro.  

As medidas foram tomadas depois de uma reunião do poder judiciário de Pernambuco realizada para tratar de questões relacionadas ao sistema carcerário no Estado, nesta terça-feira (10). 

LEIA TAMBÉM

Detentas do Recife fazem festa de aniversário com celulares e bebidas

Entre as ações anunciadas, estão: ampliar a central de agilização processual para julgar os processos de réus presos; instalar a vara de execução do regime aberto para desafogar as varas de execução penal de réus presos e criar a central de medidas cautelares penais.

A ideia é analisar pedidos processuais referentes a interceptação telefônica, prisão provisória, quebra de sigilo, ou seja, questões que exigem uma análise rápida.

O desembargador Leopoldo Raposo, presidente do TJPE, fala sobre as medidas:

 

 

Recomendados para você

Comentários

Notícia

TJPE define medidas para evitar massacres nos presídios do Estado



Publicado em 10/01/2017, às 17:58


Rádio Jornal
Foto: Acervo/ JC Imagem

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) definiu algumas medidas com objetivo de evitar massacres nas unidades prisionais do Estado como os registrados em presídios de Manaus e Roraima nestes primeiros de janeiro.  

As medidas foram tomadas depois de uma reunião do poder judiciário de Pernambuco realizada para tratar de questões relacionadas ao sistema carcerário no Estado, nesta terça-feira (10). 

LEIA TAMBÉM

Detentas do Recife fazem festa de aniversário com celulares e bebidas

Entre as ações anunciadas, estão: ampliar a central de agilização processual para julgar os processos de réus presos; instalar a vara de execução do regime aberto para desafogar as varas de execução penal de réus presos e criar a central de medidas cautelares penais.

A ideia é analisar pedidos processuais referentes a interceptação telefônica, prisão provisória, quebra de sigilo, ou seja, questões que exigem uma análise rápida.

O desembargador Leopoldo Raposo, presidente do TJPE, fala sobre as medidas:

[uolmais_audio 16111792]