Notícia | ECONOMIA E NEGÓCIOS

Economista avalia possível reprovação da reforma da Previdência


O economista Ecio Costa acredita que a reprovação da reforma da Previdência pode deixar a situação econômica do Brasil ainda mais prejudicada

Publicado em 06/04/2017, às 15:00

Rádio Jornal

Reprodução/Rádio Jornal

A reforma da previdência passou a ser a grande expectativa do Governo Federal para a retomada do crescimento da economia. Para o economista Ecio Costa a reprovação da reforma pode ser muito perigosa. “Nós estamos em uma situação crítica. Se a reforma da previdência não for aprovada o aumento de impostos será inevitável”, analisa.



Ouça os detalhes na Coluna Economia e Negócios

A reforma

A proposta da reforma da Previdência Social foi enviada pelo governo ao Congresso Nacional no fim do ano passado. Além de fixar uma idade mínima de 65 anos para a aposentadoria de homens e mulheres e trabalhadores rurais, as novas regras, se aprovadas, irão atingir trabalhadores dos setores público e privado. De acordo com a proposta atual do governo os servidores públicos dos estados e municípios terão um prazo de seis meses para atender às novas regras.


Recomendados para você

Comentários

Notícia

Economista avalia possível reprovação da reforma da Previdência



Publicado em 06/04/2017, às 15:00


Rádio Jornal

[IMAGEM]

A reforma da previdência passou a ser a grande expectativa do Governo Federal para a retomada do crescimento da economia. Para o economista Ecio Costa a reprovação da reforma pode ser muito perigosa. “Nós estamos em uma situação crítica. Se a reforma da previdência não for aprovada o aumento de impostos será inevitável”, analisa.

Ouça os detalhes na Coluna Economia e Negócios
[uolmais_audio 16184396]

A reforma

A proposta da reforma da Previdência Social foi enviada pelo governo ao Congresso Nacional no fim do ano passado. Além de fixar uma idade mínima de 65 anos para a aposentadoria de homens e mulheres e trabalhadores rurais, as novas regras, se aprovadas, irão atingir trabalhadores dos setores público e privado. De acordo com a proposta atual do governo os servidores públicos dos estados e municípios terão um prazo de seis meses para atender às novas regras.