Interior | FATALIDADE

Vizinhos do prédio que desmoronou em Garanhuns começam a se mudar


Por medo de uma nova tragédia, a Defesa Civil de Garanhuns e o Corpo de Bombeiros orientaram os moradores dos prédios vizinhos a esvaziarem os imóveis

Publicado em 11/07/2017, às 15:16

Rádio Jornal

Foto: TV Jornal

Depois da tragédia do desabamento de um prédio em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco, nesta segunda-feira (11), os moradores dos outros edifícios do condomínio estão se mudando do local.  

Fábio Melo, funcionário da Defesa Civil de Garanhuns, falou sobre a ordem de saída para os moradores por uma questão de segurança. “Nós da Defesa Civil juntamente com o Corpo de Bombeiros solicitamos a retirada deles. Em algumas residências já tem até adesivo de interditado. Por questão primordial de segurança os moradores estão sendo orientados a deixar os imóveis”, explicou.

Um morador, que não teve o nome revelado, contou que viu o momento da queda do prédio vizinho ao dele. O homem saiu do edifício e foi para casa da mãe. “Foi terrível, um barulho muito grande, uma coisa que eu nunca tinha visto na minha vida. Quando eu abri a janela o prédio já tinha desabado a três metros do prédio que eu estava”, contou.



Confira os detalhes na reportagem de Eduardo Peixoto:

Relembre

Um prédio de dois andares, que ficava na rua Desembargador João Paes, no bairro de Aluísio Pinto, em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco, desmoronou por volta das 6h15 desta segunda-feira (10). A tragédia deixou duas pessoas mortas: Edvaldo Soares da Silva, 66 anos, e o funcionário público Antônio Arcoverde, 32 anos

O desmoronamento do prédio será investigado pela Delegacia Regional de Garanhuns. Segundo o delegado Patrick Dias, o
Instituto de Criminalística (IC) deve começar a periciar o local já a partir desta terça-feira (11). O delegado afirmou que
ainda não se sabe o que motivou o desmoronamento. "Temos que aguardar a conclusão do trabalho de resgate. Neste
momento, são muitas informações chegando e temos de ter cautela para saber o que é um simples comentário ou o que de
fato procede", explicou.


Recomendados para você

Comentários

Interior

Vizinhos do prédio que desmoronou em Garanhuns começam a se mudar



Publicado em 11/07/2017, às 15:16


Rádio Jornal

[IMAGEM]

Depois da tragédia do desabamento de um prédio em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco, nesta segunda-feira (11), os moradores dos outros edifícios do condomínio estão se mudando do local.  

Fábio Melo, funcionário da Defesa Civil de Garanhuns, falou sobre a ordem de saída para os moradores por uma questão de segurança. “Nós da Defesa Civil juntamente com o Corpo de Bombeiros solicitamos a retirada deles. Em algumas residências já tem até adesivo de interditado. Por questão primordial de segurança os moradores estão sendo orientados a deixar os imóveis”, explicou.

Um morador, que não teve o nome revelado, contou que viu o momento da queda do prédio vizinho ao dele. O homem saiu do edifício e foi para casa da mãe. “Foi terrível, um barulho muito grande, uma coisa que eu nunca tinha visto na minha vida. Quando eu abri a janela o prédio já tinha desabado a três metros do prédio que eu estava”, contou.

Confira os detalhes na reportagem de Eduardo Peixoto:

[uolmais_audio 16265824]

Relembre

Um prédio de dois andares, que ficava na rua Desembargador João Paes, no bairro de Aluísio Pinto, em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco, desmoronou por volta das 6h15 desta segunda-feira (10). A tragédia deixou duas pessoas mortas: Edvaldo Soares da Silva, 66 anos, e o funcionário público Antônio Arcoverde, 32 anos

O desmoronamento do prédio será investigado pela Delegacia Regional de Garanhuns. Segundo o delegado Patrick Dias, o
Instituto de Criminalística (IC) deve começar a periciar o local já a partir desta terça-feira (11). O delegado afirmou que
ainda não se sabe o que motivou o desmoronamento. "Temos que aguardar a conclusão do trabalho de resgate. Neste
momento, são muitas informações chegando e temos de ter cautela para saber o que é um simples comentário ou o que de
fato procede", explicou.