Notícia | IMBRÓGLIO

Questionado sobre possível retaliação de Barros, Mendonça Filho diz que ministro "pode ser demissível"


Mendonça Filho foi questionado sobre a possibilidade de o ministro Ricardo Barros 'escantear' a Hemobrás, agora que não conseguiu levar parte para o PR

Publicado em 16/08/2017, às 12:17

Rádio Jornal

Wilson Dias / Agência Brasil

Questionado sobre a possibilidade de o ministro da Saúde, Ricardo Barros, 'escantear' a Hemobrás agora que não conseguiu levar a fábrica de recombinante VIII da Estatal de Pernambuco para o Paraná, o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM-PE), disse que “ministro não é eterno” e “pode ser demissível a qualquer momento”.

"Todos sabem que ministro não é eterno, temos prazo de validade, pode ser demissível a qualquer momento. O governo também tem o seu prazo. É um projeto que já vai sendo discutido e implantado há mais de 12 anos, é um projeto de longuíssimo prazo. Houve um retardo do governo anterior e que talvez tenha até comprometido o desempenho satisfatório hoje. Mas eu creio sinceramente que o ministro não vai desfazer o compromisso e a recomendação do preside Temer e o compromisso assumido conosco com relação a manutenção do investimento e busca de parcerias", disse Mendonça na manhã desta quarta-feira (16).

Ouça na íntegra a entrevista com Mendonça Filho

Em entrevista à Rádio Jornal na última semana, Barros afirmou que a fábrica pernambucana não passava de um “esqueleto” e acusou a bancada estadual de estar tratado o caso com “bairrismo”, além de acusar os governos do PT, de Lula e Dilma, de não terem concluído a planta, afirmando que tinha “a solução para a Hemobrás”.



HEMOBRÁS FICA EM PERNAMBUCO

Mendonça participou de reunião nessa terça-feira (15) com o próprio Ricardo Barros, com o presidente Michel Temer (PMDB) e os demais ministros pernambucanos, Fernando Filho, de Minas e Energia; Bruno Araújo, das Cidades e Raul Jungmann, da Defesa. Após o encontro, ficou decidido que o Ministério da Saúde vai manter a construção da fábrica do fator recombinante VII no polo da Hemobrás no município de Goiana, na Mata Norte de Pernambuco.

"Nós, desde o primeiro momento atuamos, eu, Fernando Filho, Raul Jungmann e Bruno Araújo, junto ao presidente Temer e junto ao próprio ministro da Saúde para colocar claramente que não seria admissível que Pernambuco pudesse ser penalizado com a retirada do projeto, que vem de longe, ainda do governo Jarbas, inclusive eu autorizei a doação de terreno quando era governador de Pernambuco lá em Goiana", afirmou o ministro da Educação.

Mendonça Filho falou sobre a Hemobrás durante o programa Passando a Limpo na Rádio Jornal. Ouça o programa na íntegra:


Recomendados para você

Comentários

Notícia

Questionado sobre possível retaliação de Barros, Mendonça Filho diz que ministro "pode ser demissível"



Publicado em 16/08/2017, às 12:17


Rádio Jornal

[IMAGEM]

Questionado sobre a possibilidade de o ministro da Saúde, Ricardo Barros, 'escantear' a Hemobrás agora que não conseguiu levar a fábrica de recombinante VIII da Estatal de Pernambuco para o Paraná, o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM-PE), disse que “ministro não é eterno” e “pode ser demissível a qualquer momento”.

"Todos sabem que ministro não é eterno, temos prazo de validade, pode ser demissível a qualquer momento. O governo também tem o seu prazo. É um projeto que já vai sendo discutido e implantado há mais de 12 anos, é um projeto de longuíssimo prazo. Houve um retardo do governo anterior e que talvez tenha até comprometido o desempenho satisfatório hoje. Mas eu creio sinceramente que o ministro não vai desfazer o compromisso e a recomendação do preside Temer e o compromisso assumido conosco com relação a manutenção do investimento e busca de parcerias", disse Mendonça na manhã desta quarta-feira (16).

Ouça na íntegra a entrevista com Mendonça Filho

Em entrevista à Rádio Jornal na última semana, Barros afirmou que a fábrica pernambucana não passava de um “esqueleto” e acusou a bancada estadual de estar tratado o caso com “bairrismo”, além de acusar os governos do PT, de Lula e Dilma, de não terem concluído a planta, afirmando que tinha “a solução para a Hemobrás”.

HEMOBRÁS FICA EM PERNAMBUCO

Mendonça participou de reunião nessa terça-feira (15) com o próprio Ricardo Barros, com o presidente Michel Temer (PMDB) e os demais ministros pernambucanos, Fernando Filho, de Minas e Energia; Bruno Araújo, das Cidades e Raul Jungmann, da Defesa. Após o encontro, ficou decidido que o Ministério da Saúde vai manter a construção da fábrica do fator recombinante VII no polo da Hemobrás no município de Goiana, na Mata Norte de Pernambuco.

"Nós, desde o primeiro momento atuamos, eu, Fernando Filho, Raul Jungmann e Bruno Araújo, junto ao presidente Temer e junto ao próprio ministro da Saúde para colocar claramente que não seria admissível que Pernambuco pudesse ser penalizado com a retirada do projeto, que vem de longe, ainda do governo Jarbas, inclusive eu autorizei a doação de terreno quando era governador de Pernambuco lá em Goiana", afirmou o ministro da Educação.

Mendonça Filho falou sobre a Hemobrás durante o programa Passando a Limpo na Rádio Jornal. Ouça o programa na íntegra: