Notícia | Privatização

Aeroporto do Recife é colocado em programa de privatização do Governo


Decreto do presidente Michel Temer (PMDB), publicado esta quarta-feira (25), inclui mais 13 aeroportos para privatização

Publicado em 25/10/2017, às 09:31

Rádio Jornal

Divulgação/Infraero

O Governo Federal incluiu o Aeroporto Internacional do Recife e mais 13 outros aeroportos do Brasil no projeto de desestatização, onde estes deverão ser concedidos à privatização. O decreto presidencial número 9.180 foi publicado no Diário Oficial desta quarta-feira (25). 

Além do aeroporto da capital pernambucana, o aeroporto de Vitória (ES), Maceió (AL), Aracajú (SE), Macaé (RJ), Juazeiro do Norte (CE) e Campina Grande e Bayeux, na Paraíba, e Várzea Grande, Rondonópolis, Sinop, Alta Floresta e Barra dos Garças, no Mato Grosso. 



"Os aeroportos poderão ser concedidos individualmente ou em blocos, conforme decisão que será subsidiada pelos estudos de modelagem da desestatização", alega trecho do decreto presidencial. 

Aeroporto de Congonhas fica de fora

O segundo maior aeroporto do país, o de Congonhas em São Paulo, foi tirado da lista por pressão do Partido da República (PR), que comanda o ministério dos Transportes e Infraero. A concessão renderia cerca de R$ 5,6 bilhões aos cofres públicos. 


Recomendados para você

Comentários

Notícia

Aeroporto do Recife é colocado em programa de privatização do Governo



Publicado em 25/10/2017, às 09:31


Rádio Jornal

[IMAGEM]

O Governo Federal incluiu o Aeroporto Internacional do Recife e mais 13 outros aeroportos do Brasil no projeto de desestatização, onde estes deverão ser concedidos à privatização. O decreto presidencial número 9.180 foi publicado no Diário Oficial desta quarta-feira (25). 

Além do aeroporto da capital pernambucana, o aeroporto de Vitória (ES), Maceió (AL), Aracajú (SE), Macaé (RJ), Juazeiro do Norte (CE) e Campina Grande e Bayeux, na Paraíba, e Várzea Grande, Rondonópolis, Sinop, Alta Floresta e Barra dos Garças, no Mato Grosso. 

"Os aeroportos poderão ser concedidos individualmente ou em blocos, conforme decisão que será subsidiada pelos estudos de modelagem da desestatização", alega trecho do decreto presidencial. 

Aeroporto de Congonhas fica de fora

O segundo maior aeroporto do país, o de Congonhas em São Paulo, foi tirado da lista por pressão do Partido da República (PR), que comanda o ministério dos Transportes e Infraero. A concessão renderia cerca de R$ 5,6 bilhões aos cofres públicos.