ARBOVIROSES

Recife lança mosquitos inférteis no combate ao Aedes aegypti


Objetivo é atingir a reprodução do mosquito Aedes aegypti

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 20/12/2019 às 16:11
Leo Motta/JC Imagem
FOTO: Leo Motta/JC Imagem
Leitura:

A guerra contra o Aedes aegypti ganhou um reforço aéreo no Recife. Nesta sexta-feira (20), cerca de 350 mil mosquitos geneticamente modificados foram lançados por drones e em terra, no bairro de Brasília Teimosa, na Zona Sul da cidade.

A ação, realizada pela Secretaria Municipal de Saúde, faz parte do plano de enfrentamento às arboviroses 2020. De acordo com o secretário Jailson Correia, essa liberação inicial dos insetos é uma etapa experimental da estratégia. "É importante para entender o comportamento dos mosquitos nas condições reais do bairro onde vai haver a intervenção. Ainda no primeiro trimestre de 2020, vão ser iniciadas as liberações em massa dos mosquitos e a partir daí a gente já deve observar uma diminuição do número de mosquitos que possa transmitir as doenças", disse.

Impactar a reprodução do Aedes

O gerente de Vigilância Ambiental do Recife, Jurandir Almeida, explicou que o objetivo é atingir a reprodução do Aedes aegypti e, com isso, diminuir a população de mosquitos.

Mesmo com a utilização da tecnologia aplicada pela empresa Moscamed, o diretor presidente da biofábrica, Jair Fernandes Virgínio, lembra que os cuidados tomados pelos cidadãos são indispensáveis para o combate às doenças.

Jair Fernandes afirma que os exemplares soltos no experimento são machos e não picam nem oferecem riscos às pessoas.

De acordo com ele, o Brasil, o México e a Itália são países pioneiros na utilização da técnica do inseto estéril para o enfrentamento ao Aedes aegypti, com apoio da agência internacional de energia atômica.


Mais Lidas