PANDEMIA

Covid-19: infectologista aponta que alta mortalidade do Recife está associada à baixa testagem


De acordo com o infectologista, no começo da pandemia, Recife testava apenas os casos graves da covid-19

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 05/08/2020 às 17:00
Bruno Campos - JC Imagem
FOTO: Bruno Campos - JC Imagem
Leitura:

Um levantamento realizado pela coluna JC Saúde e Bem-estar, do Jornal do Commercio, com base nos dados oficiais divulgados pelas secretarias municipais de saúde, Recife é a segunda capital do Nordeste com a maior taxa de mortalidade da covid-10. De acordo com o levantamento, a capital pernambucana tem 129,6 mortes por 100 mil habitantes, e uma letalidade de 7,8 %. Recife fica atrás apenas da cidade de Fortaleza, no Ceará.

O infectologista Filipe Prohaska aponta que a baixa testagem no Recife, no começo da pandemia, afetou esse índice. “Fortaleza e Recife foram as primeiras cidades a sofrer com o coronavírus no Brasil, junto com São Paulo. Numa época em que a gente não tinha tanto exame disponível. Só fazia teste nos pacientes mais graves e aí nossas taxas de mortalidade eram altíssimas, de 15%, 16%. Só que se prendia naquela ideia de que todos os pacientes com coronavírus estavam no hospital, quando, na verdade, o vírus já estava na nossa população, já havia uma disseminação plena do vírus e os testes estavam restritos aos pacientes extremamente graves. Por isso que nós temos aquela falsa sensação de que a mortalidade era mais alta, mas na verdade a gente só estava testando os mais graves. Nós não estávamos testando tanto quanto nos dias atuais. Tanto é verdade que essa semana nós tivemos 1.800 casos novos em um dia com 34 mortos e aí, quando vai fazer isso numa porcentagem, são valores próximos a 5%, que é o que o mundo está vivenciando”, analisou o especialista.

Mortalidade e letalidade

A mortalidade e a letalidade são indicadores diferentes. A taxa de mortalidade mede o risco de pessoas virem a ter a doença e, em seguida, morrer. Já a letalidade mede a gravidade da infecção e a chance das pessoas já com a covid-19 ir à óbito, além de estar relacionada à severidade do vírus e a condições de atendimento na rede de saúde.

O médico infectologista Filipe Prohaska explica o que ocorreu no Recife. “A mortalidade é calculada na população total. Você faz o cálculo baseado no número de casos. Digamos, eu tive mil casos positivos, mas eu só testei pacientes graves. A mortalidade do grupo dos graves era de tantos por cento (...) A gente só estava calculando em cima de quem era testado. (...) A letalidade é o seguinte: o vírus contaminou um grupo populacional de 100 pessoas. [Deste total] 85 pessoas não apresentaram sintomas, dez pessoas apresentaram sintomas, mas se recuperaram, 5 tiveram a forma mais grave e morreram 2. [Então] 2% é a letalidade do vírus. Mas se eu for pegar aquela ideia de que eu só testei os mais graves e considerar que esses 5 são esses graves eu vou alcançar uma mortalidade de 20%”, detalhou.

Testar a população é o caminho

O especialista conclui que o aumento da testagem da população é a resposta matemática para diminuir a taxa de mortalidade. “Número de exames é o segredo. Se você testa mais, você diagnostica mais e você vai pegar mais casos que tiveram bom prognóstico. Ou seja, se eu estou testando todo mundo eu estou vendo os que tem com casos leves e moderados. Se eu só testar os graves eu vou restringir muito isso. Onde se testa mais vai diluindo essa taxa de mortalidade”, apontou.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

- Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
- Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
- Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
- Evitar contato próximo com pessoas doentes.
- Ficar em casa quando estiver doente.
- Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
- Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
- Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
- Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.


Mais Lidas