Caso Miguel

Mãe do menino Miguel diz estar sofrendo críticas e ofensas nas redes sociais


Mirtes Renata pediu uma indenização de R$ 987 mil a ex-patroa Sarí Corte Real; ela tem sobrevivido de doações

Carol Coimbra
Carol Coimbra
Publicado em 26/08/2020 às 12:26
Brenda Alcântara/ JC Imagem
FOTO: Brenda Alcântara/ JC Imagem
Leitura:

Mirtes Renata Santana de Souza, mãe do menino Miguel Otávio, que morreu ao cair de um edifício na área central do Recife em junho, denuncia que vem sofrendo críticas e ofensas nas redes sociais. Isso tem ocorrido devido ao pedido de indenização R$ 897 mil feito por ela na Justiça para a ex-patroa indiciada pela polícia Sarí Corte Real.

No início deste mês de agosto, Mirtes entrou na Justiça com um pedido de indenização por danos morais e materiais decorrentes da morte da criança. De acordo com a advogada da família, Rafaela Carrilho, o valor da causa, estipulado R$ 987 mil, é para ser dividido entre a mãe, o pai e avó materna de Miguel.

“Os danos materiais estão sendo pleiteados em um patamar de 40% para cada genitor e 20% para a avó do Miguel”, relatou.

Além desta indenização, as advogadas de Mirtes também entraram na Justiça com um pedido trabalhista contra Sarí e o marido dela Sérgio Hacker, prefeito da cidade de Tamandaré, no litoral Sul do estado. A ação pede o pagamento de verbas rescisórias da mãe e da avó de Miguel, que tiveram o contrato de cargo comissionado cancelado na prefeitura. As duas constavam como funcionárias públicas.

“Elas tinham a carteira assinada antes do mandato dele, houve a baixa pelos empregadores, passaram a ser vinculadas como cargo comissionado na Prefeitura de Tamandaré e assim permaneceram até vir à tona toda esta situação em que elas foram exoneradas já no início do mês de junho. Não receberam nada, absolutamente nada em relação aos seus direitos trabalhistas”, detalhou a advogada trabalhista Karla Cavalcanti.

Desde julho, Mirtes e a mãe estão sobrevivendo de doações de amigos e instituições ligadas aos direitos humanos.

“Tem um pessoal do Gajop, da Rede de Mulheres Negras, amigos que estão nos ajudando financeiramente. E o pessoal da Rede de Mulheres Negras se comprometeu todo mês ajudar com cesta básica e a gente está vivendo de doação até resolver essa situação”, relatou Mirtes Renata.

Esta quarta-feira (25) é o último dia determinado pela Justiça para que Sarí Corte Real apresente a sua defesa.

Relembre o caso

No dia 2 de junho, Miguel, que tinha apenas cinco anos, morreu após cair do nono andar de um prédio de luxo no centro do recife após ser deixado sozinho no elevador pela ex-patroa da mãe dele. Sarí Corte Real, primeira dama da cidade de Tamandaré, foi denunciada pela polícia e pelo Ministério Público por abandono de incapaz.

Ouça a reportagem de Juliana Oliveira:


Mais Lidas