Após infecções de estudantes de escolas privadas, Sinpro entra na Justiça para suspender aulas presencias

Professores da rede privada estão aflitos com a situação; duas escolas particulares do Recife suspenderam as aulas após estudantes serem infectados

COVID-19
Após infecções de estudantes de escolas privadas, Sinpro entra na Justiça para suspender aulas presencias

Colégio Damas suspendeu aulas das turmas do 3ºano após estudantes serem infectados - Foto: YACY RIBEIRO/JC IMAGEM

Depois de casos de covid-19 serem confirmados em alunos de duas escolas particulares do Recife, professores da rede privada estão ainda mais inseguros com o retorno às atividades presenciais. Diante dessa situação, o Sindicato dos Professores da Rede Particular (Sinpro) entrou com agravo regimental na Justiça para suspender as aulas presenciais.

Leia também >> Após infecção de alunos em escola particular, Sintepe diz que situação comprova preocupação de professores 

Covid-19: escola particular do Recife suspende aulas presenciais após infecções

No dia 6 de outubro, a Justiça do Trabalho suspendeu a reabertura dos colégios, a pedido do Sinpro. No entanto, no dia 8 do mesmo mês, presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª região (TRT6), desembargador Valdir Carvalho, acolheu os argumentos apresentados pelo Governo Estadual e tornou sem efeito a decisão tomada pela Justiça do Trabalho.

“O Sinpro continua atendendo e seguindo a orientação da categoria que é fazer a fiscalização permanente das escolas para ver a aplicação dos protocolos. Por entender que ainda não é o momento [para retorno], nós ingressamos com um agravo regimental no Tribunal de Justiça do Trabalho porque a decisão do presidente foi monocrática, em relação à nossa liminar do dia 5. Vamos aguardar a decisão do pleno do tribunal”, afirmou o presidente do Sinpro, Helmilton Bezerra, em referência à decisão do desembargador Valdir Carvalho.

Segundo o presidente, o sindicato acrescentou ao agravo argumentações de especialistas questionando a volta às aulas presenciais, além dos casos de infecções de estudantes.

Professor Helmilton Bezerra demonstra preocupação após os casos registrados em escolas de grande porte do Recife. “Nossa rede não é linear. Nem a rede privada. Esses dois acontecimentos se deram em escolas grandes. A Escola Passo e o Damas são grandes, com estrutura física e arquitetônica adequada. Imagine isso [o protocolo] aplicado a escolas médias e pequenas das periferias?”, questionou.

Na avaliação do presidente do Sinpro, o argumento de que as crianças e adolescentes estão frequentando outros espaços não é válido. “Não é o momento. Não dá para dizer, como se tem feito uma narrativa: ‘os meninos estão indo pra o shopping, pra praia, pras ruas’. Isso é optativo. Ninguém tem obrigação de estar nesses espaços. E quando as crianças e os adolescentes estão lá, estão, na maioria das vezes, com seus pais”, apontou o presidente.

Confira a entrevista completa:

Estudantes infectados

Esta semana, das escolas particulares informaram a suspensão das aulas presenciais após a confirmação de estudantes infectados pelo novo coronavírus. O Colégio Damas, no bairro das Graças, Zona Norte do Recife, disse que os casos foram registrados em estudantes do 3º ano do ensino médio e por isso suspendeu as atividades das turmas do 3º ano. 

Em nota, a unidade informou que os adolescentes se infectaram fora do ambiente escolar e manteve as atividades no modo remoto. A medida preventiva vale até o dia 2 de novembro.

Já o Colégio Grande Passo, localizado no bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife, registrou um caso positivo da covid-19 em uma estudante do 2º ano do ensino médio, levando a escola a interromper as aulas na turma da garota.

De acordo com a diretora pedagógica da escola, Solange Mota, a aluna contaminada não teve contato com outras salas e, por isso, as aulas presenciais poderão continuar para os outros grupos.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.