Rodoviários confirmam greve na Região Metropolitana do Recife

Rodoviários cobram cumprimento da lei que proíbe que motoristas acumulem a função de cobrador nos ônibus do Recife

ÔNIBUS
Rodoviários confirmam greve na Região Metropolitana do Recife

Projeto de Lei foi sancionado pelo prefeito do Recife, Geraldo Julio, no dia 30 de outubro - Foto: Reprodução/TV Jornal

Atualizada às 18h18

Motoristas e cobradores de ônibus aprovaram, por unanimidade, uma greve a partir da terça-feira (24/11) do transporte público da Região Metropolitana do Recife. A decisão foi consolidada pelos rodoviários, na tarde desta terça-feira (17), na segunda assembleia realizada pela categoria. Pela manhã, parte dos trabalhadores já havia decidido pela paralisação das atividades. A principal pauta é o cumprimento da Lei 18.761/2020, que proíbe a dupla função dos motoristas de ônibus na capital pernambucana

Segundo revelou a coluna Mobilidade do JC, a principal reivindicação dos rodoviários para não realizar o movimento é se, até a data prevista para a greve, o governo do Estado e o setor empresarial confirmarem o cumprimento, no prazo, da lei. A categoria quer uma garantia do governo do Estado, como gestor do transporte metropolitano, de que a lei municipal será cumprida.

“Como já tínhamos adiantado, a categoria está bastante revoltada com toda a situação. Em plena pandemia, motoristas sendo obrigados a realizar a dupla função, recebendo dinheiro e passando troco ao mesmo tempo em que dirigem. Está insuportável. Sabíamos que os motoristas iriam aprovar o movimento por unanimidade. E, com certeza, à tarde esse posicionamento será confirmado”, diz Aldo Lima, presidente do Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco.

A greve, marcada para o dia 24, tem um prazo bem maior do que as 72 horas exigidas por lei para deflagrar uma greve, para dar margem aos atores envolvidos com o sistema de transporte da RMR - governo de Pernambuco e empresários de ônibus - a agirem e evitarem a paralisação do serviço de ônibus.

Outras reivindicações 

Além da exigência do cumprimento da da Lei 18.761/2020, os rodoviários também exigem a recolocação dos cobradores no sistema. Interpretam a nova legislação, considerando as modificações acrescidas no trâmite da Câmara de Vereadores, dessa forma. Eles baseiam-se na emenda do vereador Rinaldo Júnior (PSB) que limita aos cobradores a função de cobrar tarifas no ônibus que operam as linhas apenas municipais.

Motoristas e cobradores também querem que as demissões de rodoviários sejam suspensas e que seja dada estabilidade de emprego por um ano. Segundo o sindicato da categoria, 2 mil trabalhadores foram demitidos de agosto até o momento. 

Por fim, os rodoviários querem voltar a negociar com as empresas os outros pontos da campanha salarial, como a elaboração de uma nova convenção de trabalho. Eles argumentam que a aprovada pela gestão passada não vale mais, já venceu e não será renovada porque ela permitia a dupla função. 

Projeto de Lei sancionado

Após uma série de protestos dos rodoviários, o Projeto de Lei 05/2019, que proíbe os motoristas de ônibus em circulação no Recife de acumularem a função de cobrador, foi sancionado pelo prefeito Geraldo Julio (PSB) no dia 30 de outubro. O texto foi aprovado pela Câmara Municipal do Recife no dia 27 de outubro, depois de um ano e meio em tramitação. 

Em nota, a Prefeitura do Recife disse que o Projeto de Lei "garante mais segurança aos passageiros do sistema e protege os trabalhadores - que já desempenham uma função de alta responsabilidade -, do desvio de função". O projeto de lei, de autoria do vereador Ivan Moraes (Psol), passou por cinco tentativas de votação em dois meses. Foram 32 votos a favor e 1 contra. O único vereador contrário foi André Régis (PSDB). O projeto tinha recebido três emendas anteriormente. Em duas delas, a intenção de protelar a votação era clara.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.