JUSTIÇA

Caso Miguel: Justiça vai marcar nova data para interrogatório de Sarí Corte Real


A primeira audiência do Caso Miguel foi realizada nesta quinta-feira (3) e duro quase oito horas

Com informações da TV Jornal
Com informações da TV Jornal
Publicado em 03/12/2020 às 18:59
Yacy Ribeiro/ JC Imagem
FOTO: Yacy Ribeiro/ JC Imagem
Leitura:

A primeira audiência de instrução e julgamento do Caso Miguel foi concluída, nesta quinta-feira (03), após quase 8 horas. Uma nova data será marcada para a continuidade dos depoimentos, iniciando por mais uma testemunha de defesa e para o interrogatório de Sari Corte Real, acusada por abandono de incapaz com resultado em morte do menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos. A informação foi repassada pela assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE).

A sessão começou às 9h40 na 1ª Vara de Crimes contra a Criança e o Adolescente da Capital, localizada no Centro Integrado da Criança e do Adolescente (Cica). A audiência foi conduzida pelo juiz José Renato Bizerra. No total, foram ouvidas oito testemunhas de Acusação. O Ministério Público desistiu da nona testemunha, que seria ouvida por videoconferência, e a defesa concordou.

Durante a audiência, foram ouvidas ainda quatro testemunhas de Defesa. E, ao longo do trâmite do processo, serão ouvidas mais quatro testemunhas de Defesa por Carta Precatória, procedimento usado no Judiciário para ouvir testemunhas ou partes processuais que residem em outra comarca, de cidades ou estados diferentes.

Yacy Ribeiro/ JC Imagem
Caso Miguel Audiência - FOTO:Yacy Ribeiro/ JC Imagem
Caso Miguel Audiência Sari
Day Santos/ Jc Imagem - FOTO:Caso Miguel Audiência Sari
Day Santos/ Jc Imagem
Caso Miguel Audiência Sari - FOTO:Day Santos/ Jc Imagem
YACY RIBEIRO/ JC Imagem
Caso Miguel Audiência - FOTO:YACY RIBEIRO/ JC Imagem
 Day Santos/ Jc Imagem
Caso Miguel Audiência - FOTO: Day Santos/ Jc Imagem
 Day Santos/ Jc Imagem
Caso Miguel Audiência - FOTO: Day Santos/ Jc Imagem

Dor contínua

Durante entrevista à TV Jornal, Mirtes afirmou que nenhum dinheiro repararia a dor que ela sente pela perda do filho. "Esse dinheiro que ainda vai pra mão do juiz, ainda vai ser julgado, é algo que não vai reparar o que eu sinto. Não vai reparar a dor que sinto pela perda do meu filho", afirmou.

>> Caso Miguel: após críticas, Sérgio Hacker diz que convocar padre Arlindo como testemunha foi 'equívoco'

>> Caso Miguel: escute a música de Adriana Calcanhotto dedicada ao menino

>> 'Menino Miguel': UFRPE cria Instituto voltado aos cuidados da infância à velhice em homenagem ao garoto

>> Campanha por justiça marca os três meses da morte de Miguel

>> Família do menino Miguel pede indenização por danos morais e materiais na Justiça

>>Caso Miguel: Noite de lembranças e muita emoção durante missa de 30 dias

>>>"Não vai reparar a dor que sinto pela perda do meu filho", diz mãe de Miguel sobre possível indenização

A primeira-dama do município de Tamandaré, Sarí Corte Real, foi denunciada pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE) por abandono de incapaz com resultado morte. Ela estava responsável por Miguel, quando o menino caiu do prédio de luxo. As imagens de câmeras de segurança mostraram Sarí apertando o botão do elevador em que a criança subiu para o 9º andar do prédio.

Relembre o Caso Miguel

O menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, morreu no dia 2 de junho, após cair do nono andar do Edifício Maurício de Nassau, no Bairro de São José, na área central do Recife. A criança estava sob os cuidados da ex-patroa da mãe dele, a esposa do prefeito de Tamandaré, Sérgio Hacker, Sarí Gaspar Corte Real. Ela foi indiciada por abandono de incapaz com resultado de morte e aguarda julgamento em liberdade.

No momento da queda de Miguel, Mirtes Renata, mãe da criança, passeava com o cachorro de Sarí.


Mais Lidas