Volta do comércio nas praias do Recife é marcada por fiscalização

A retomada das atividades das praias de Pernambuco requer o seguimento de um protocolo de proteção contra a covid-19

RETOMADA
Volta do comércio nas praias do Recife é marcada por fiscalização

Todas as regras devem ser respeitadas e, caso haja descumprimento, o barraqueiro pode até perder a licença. - Foto: Jailton Júnior/Jc Imagem

O tão esperado retorno dos barraqueiros pela categoria de trabalhadores aconteceu na manhã segunda-feira (31). Foram cerca de cinco meses sem as atividades de comércio nas praias de Pernambuco.  Após muitos protestos, a retomada das atividades foi anunciada na última quinta-feira (27) pelo Governo do Estado. A medida está dentro da oitava etapa do plano de convivência com a covid-19 no estado e segue um protocolo com distanciamento das barracas, uso de álcool em gel e máscaras. No Recife, são 1.165 trabalhadores da faixa de areia cadastrados pela prefeitura.

Os clientes notaram e aprovaram os cuidados de prevenção da covid-19. “Chegamos aqui, eles já foram dizendo a questão da higienização, já foram oferecendo álcool em gel”, disse o autônomo Marcos Souza na Praia de Boa Viagem.

A partir desta segunda-feira (31), a Prefeitura do Recife vai promover uma operação envolvendo mais de 100 profissionais de diversos órgãos e secretarias. A ideia é fiscalizar os barraqueiros e orientar a população.

O comandante da Guarda Civil da capital pernambucana, Marcílio Domingos, falou sobre como isso deve ocorrer. “Nós vamos observar as quantidades de mesas, o distanciamento entre elas, a quantidade de pessoas nas mesas que só pode ser até 10. E o cumprimento em relação ao uso da máscara e álcool em gel pelos ambulantes que estão aí servindo aos usuários da faixa de areia”, explicou.

Todas as regras devem ser respeitadas e, caso haja descumprimento, o barraqueiro pode até perder a licença, como afirma a secretária de Turismo, Esportes e Lazer do Recife, Ana Paula Vilaça.

“A gente vai fazer esse trabalho de orientação, de explicar, de pedir o apoio, tanto do comerciante quando da população. E aquele comerciante que não respeitar as regras pode ter o seu cadastro de funcionamento suspenso”, disse Vilaça.
Os frequentadores da orla também precisam fazer a sua parte, incluindo o uso da máscara. Por isso, serão distribuídas mais de mil pela orla.

Ouça a reportagem de Elis Martins:

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.