Caso Suzane Von Richthofen

Confira depoimento de Andreas von Richthofen em julgamento que condenou Suzane em 2006; veja o que ele disse ao juiz


Andreas von Richthofen tinha apenas 15 anos quando a irmã, Suzane, matou os pais

Gabriel dos Santos Araujo Dias
Gabriel dos Santos Araujo Dias
Publicado em 28/09/2021 às 9:10
Reprodução/ Internet
FOTO: Reprodução/ Internet
Leitura:

Em 18 de julho de 2006, nenhum depoimento na Justiça brasileira chamou tanta atenção quanto o de um jovem loiro com visual de roqueiro, colhido no Fórum da Barra Funda, em São Paulo. Naquele momento, todas as atenção se voltavam para Andreas von Richthofen, que, quatro anos antes, viu a vida mudar, após a irmã, Suzane, arquitetar a morte dos pais dele, Manfred e Marísia. Dezenove anos depois do crime brutal, o caso volta à tona com os lançamentos dos filmes "A menina que matou os pais" e "O menino que matou meus pais". No julgamento que definiu a condenação de Suzane a 39 anos de prisão, Andreas foi responsável por desmentir a própria irmã.

De acordo com reportagem da Folha de São Paulo do dia seguinte ao depoimento de Andreas, o jovem, que estudava na Universidade de São Paulo (USP), usava "barba por fazer, cabelos longos, trajando calça cargo, blusa de lã e tênis". Bonito, segundo o promotor de Justiça Nadir de Campos Júnior, "as moças da plateia" estavam comentando a aparência dele. A fala era uma tentativa de deixar o rapaz mais a vontade, segundo a reportagem. Logo, a maior vítima de todo o crime começou a falar e não poupou a irmã.

>>> Suzane von Richthofen quase foi assassinada pelo PCC dentro da cadeia, relata livro; entenda motivos

>>> Na vida real, Suzane acaba de começar uma nova faculdade. Veja detalhes da nova profissão da detenta.

>>> LEIA MAIS: Quem é Sandrão, a ex-namorada de Suzane von Richthofen

>>> LEIA MAIS: Na cadeia, Cristian Cravinhos teve relacionamento homoafetivo.

Andreas, que pediu para prestar depoimento sem a presença de Suzane, Daniel e Cristina Cravinhos, deixou claro que não acreditava no arrependimento de Suzane e que não a perdoava. Ele também afastou a hipótese de acreditar que ela abriria mão da herança dos pais. Andreas chegou a rir quando o advogado de defesa de Suzane disse que a jovem assinaria um documento desistindo da parte dela na fortuna deixada pelo engenheiro e pela médica.

Segundo Andreas, que na época do crime tinha 16 anos, foi Daniel - seu ex-instrutor de aeromodelismo - quem o iniciou no consumo de maconha. Ele também narrou que era muito ligado à irmã, antes da morte dos pais.

Herança

Boa parte do depoimento de Andreas, que no total durou 3 horas, foi sobre a fortuna da família. Ele classificou como "palhaçada" o pedido de Suzane que, de dentro da cadeia, ordenou uma contagem geral dos produtos que haviam na mansão dos von Richthofen. "Talheres, louças, sofás, camas" foram contados a pedido da moça. Ele também alertou que a irmã tinha manobras para evitar que ele recebesse o dinheiro do seguro de vida feito pelo pai para os filhos.

>>> LEIA MAIS: Veja como está Daniel Cravinhos hoje em dia.

Suzane mentiu

Andreas desmentiu a irmã em pelo menos um grande ponto crucial: o uso de drogas. No depoimento, o jovem disse que Suzane não parecia drogada na noite do crime. Ele esteve com ela antes dos homicídios (quando Suzane o levou até uma lan house para tirá-lo de casa) e depois, quando a imã foi buscá-lo no estabelecimento e voltaram para casa. Ao contrário disso, Suzane disse que estava sob efeito de entorpecentes no momento do crime.

Andréas Albert von Richthofen tinha 15 anos na época em que os pais foram assassinados
Andréas Albert von Richthofen tinha 16 anos na época em que os pais foram assassinados
Reprodução/ Internet

Sem agressões

Também de acordo com Andreas, diferente do que os acusados queriam fazer crer, Manfred jamais foi um pai agressivo nem com eles nem com a esposa, Marísia.

Manipulação

O irmão de Suzane disse que a loira também o chantageava emocionalmente. Disse que chegou a visitar a irmã várias vezes no presídio, que a questionava do motivo do crime, mas que ela chorava e não falava sobre o assunto. "Um dia, eu fui encontrar minha irmã na penitenciária e ela me obrigou a escrever esse bilhete", disse em referência de uma mensagem dele para ela em 22 de julho de 2003, onde ele escreveu: "Querida Su! Estou morrendo de saudade. Você sabe que não tenho vindo te ver porque meu tio me proibiu de vir te ver. Você sabe que sou contra isso. Também sou contra o processo de exclusão de herança. Continuo do seu lado. Um beijo".

>>> VÍDEO: Veja entrevista de Suzane von Richthofen e reportagem provando que advogados dela queriam montar uma farsa

Segundo Andreas, "Foi outra chantagem emocional. Ela disse que, se não tivesse direito à herança, não poderia pagar advogados. Que ficaria abandonada e não teria quem a defendesse". Com o tempo, "a ficha começou a cair aos poucos, e não quis mais contato", depôs o rapaz.

Por onde Andreas anda?

A última aparição de Andreas foi em 2017, quando foi flagrado sob efeitos de entorpecentes, tentando pular o muro de uma residência em São Paulo.

Irmãos Cravinhos mataram os pais de Suzane Von Richthofen
Irmãos Cravinhos mataram os pais de Suzane Von Richthofen
Reprodução

Mais Lidas